Archive

Archive for Outubro, 2014

AMEN

Outubro 25, 2014 Deixe um comentário

O cristão não olha para o Domingo apenas como um dia sem trabalho mais ainda porque hoje, para muitos, o Domingo é um dia normal de trabalho. O cristão celebra o Domingo mesmo trabalhando por que é o dia da Ressurreição de Jesus, o Dia do Senhor. Por isso, quer o Domingo seja um dia de descanso ou um dia de trabalho para ti, procura não esquecer o essencial e deixa-te tocar pela alegria do Senhor Jesus Ressuscitado. Faz os possíveis e até algum impossível para participares na celebração da Eucaristia. Dá graças ao Senhor, pede-Lhe que te sintas ressuscitado com Ele e começa assim a tua semana de oração.

Marcador da Palavra para a 30.ª Semana do Tempo Comum – ano A (de 26 de outubro a 1 de novembro, 2014)

O GRANDE MANDAMENTO É AMAR

Outubro 25, 2014 Deixe um comentário

A liturgia do 30.º domingo Comum diz-nos, de forma clara e inquestionável, que o amor está no centro da experiência cristã. O que Deus pede – ou antes, o que Deus exige – a cada crente é que deixe o seu coração ser submergido pelo amor.

O Evangelho diz-nos, de forma clara e inquestionável, que toda a revelação de Deus se resume no amor – amor a Deus e amor aos irmãos. Os dois mandamentos não podem separar-se: “amar a Deus” é cumprir a sua vontade e estabelecer com os irmãos relações de amor, de solidariedade, de partilha, de serviço, até ao dom total da vida. Tudo o resto é explicação, desenvolvimento, aplicação à vida prática dessas duas coordenadas fundamentais da vida cristã.

A primeira leitura garante-nos que Deus não aceita a perpetuação de situações intoleráveis de injustiça, de arbitrariedade, de opressão, de desrespeito pelos direitos e pela dignidade dos mais pobres e dos mais débeis. A título de exemplo, a leitura fala da situação dos estrangeiros, dos órfãos, das viúvas e dos pobres vítimas da especulação dos usurários: qualquer injustiça ou arbitrariedade praticada contra um irmão mais pobre ou mais débil é um crime grave contra Deus, que nos afasta da comunhão com Deus e nos coloca fora da órbita da Aliança.

A segunda leitura apresenta-nos o exemplo de uma comunidade cristã (da cidade grega de Tessalónica) que, apesar da hostilidade e da perseguição, aprendeu a percorrer, com Cristo e com Paulo, o caminho do amor e do dom da vida; e esse percurso – cumprido na alegria e na dor – tornou-se semente de fé e de amor, que deu frutos em outras comunidades cristãs do mundo grego. Dessa experiência comum, nasceu uma imensa família de irmãos, unida à volta do Evangelho e espalhada por todo o mundo grego.

ONDE COMUNGAS? COMO É O TEU CORAÇÃO?

Outubro 18, 2014 Deixe um comentário

Se puderes, reserva alguns momentos em cada um dos dias desta semana para ouvir músicas calmas.

Depois, deixa que essa música pacifique o teu coração.

Procura sentir a presença de Deus e deixa que Ele tome conta de ti. O mais certo é não sentires uma presença sensível, pois não é esse o modo normal de Deus estar contigo. Procura-O no teu interior, no mais íntimo do teu coração onde Ele te enche de alegria se tu deixares. Agradecendo por mais este Domingo na alegria do Senhor Jesus Ressuscitado, dá início à tua semana de oração.

Marcador da Palavra para a 29ª Semana do Tempo Comum – ano A (19 a 25 de outubro, 2014

DEUS É A NOSSA PRIORIDADE

Outubro 18, 2014 Deixe um comentário

A liturgia do 29º Domingo do Tempo Comum convida-nos a refletir acerca da forma como devemos equacionar a relação entre as realidades de Deus e as realidades do mundo. Diz-nos que Deus é a nossa prioridade e que é a Ele que devemos subordinar toda a nossa existência; mas avisa-nos também que Deus nos convoca a um compromisso efetivo com a construção do mundo.

O Evangelho ensina que o homem, sem deixar de cumprir as suas obrigações com a comunidade em que está inserido, pertence a Deus e deve entregar toda a sua existência nas mãos de Deus. Tudo o resto deve ser relativizado, inclusive a submissão ao poder político.

A primeira leitura sugere que Deus é o verdadeiro Senhor da história e que é Ele quem conduz a caminhada do seu Povo rumo à felicidade e à realização plena. Os homens que atuam e intervêm na história são apenas os instrumentos de que Deus se serve para concretizar os seus projetos de salvação.

A segunda leitura apresenta-nos o exemplo de uma comunidade cristã que colocou Deus no centro do seu caminho e que, apesar das dificuldades, se comprometeu de forma corajosa com os valores e os esquemas de Deus. Eleita por Deus para ser sua testemunha no meio do mundo, vive ancorada numa fé activa, numa caridade esforçada e numa esperança inabalável.

Não vires as costas a Jesus. Ele tem o presente que precisas

Outubro 4, 2014 Deixe um comentário

A oração é uma graça cujo alcance não pode ser medido por nenhum valor exclusivamente humano. Para se ter uma noção, mesmo vaga, do seu poder é necessário incluir Deus nas contas. Afinal, o segredo da oração é, precisamente, Deus. Deixado unicamente às suas forças seria sempre um esforço inglório, uma ilusão, o teu falar com Deus não seria senão uma conversa contigo. Mas se deixas Deus entrar no jogo, este fica transfigurado, já não estás sozinho e, sobretudo, já não és tu o responsável pelo resultado final.

Nesta semana, toma consciência do que é ter Deus contigo.

Marcador da Palavra para a 27.ª Semana do Tempo Comum – ano A

DEUS DÁ-NOS UMA VINHA PARA QUE A CULTIVEMOS

Outubro 4, 2014 Deixe um comentário

A liturgia do 27º Domingo do Tempo Comum utiliza a imagem da “vinha de Deus” para falar desse Povo que aceita o desafio do amor de Deus e que se coloca ao serviço de Deus. Desse Povo, Deus exige frutos de amor, de paz, de justiça, de bondade e de misericórdia.

Na primeira leitura, o profeta Isaías dá conta do amor e da solicitude de Deus pela sua “vinha”. Esse amor e essa solicitude não podem, no entanto, ter como contrapartida frutos de egoísmo e de injustiça… O Povo de Jahwéh tem de deixar-se transformar pelo amor sempre fiel de Deus e produzir os frutos bons que Deus aprecia – a justiça, o direito, o respeito pelos mandamentos, a fidelidade à Aliança.

No Evangelho, Jesus retoma a imagem da “vinha”. Critica fortemente os líderes judaicos que se apropriaram em benefício próprio da “vinha de Deus” e que se recusaram sempre a oferecer a Deus os frutos que Lhe eram devidos. Jesus anuncia que a “vinha” vai ser-lhes retirada e vai ser confiada a trabalhadores que produzam e que entreguem a Deus os frutos que Ele espera.

Na segunda leitura, Paulo exorta os cristãos da cidade grega de Filipos – e todos os que fazem parte da “vinha de Deus” – a viverem na alegria e na serenidade, respeitando o que é verdadeiro, nobre, justo e digno. São esses os frutos que Deus espera da sua “vinha”.