Archive

Archive for Janeiro, 2014

Marcador para a Semana III do Tempo Comum

Janeiro 25, 2014 Deixe um comentário

Por vezes, ficamos cansados da nossa relação com Deus e a oração torna-se um peso difícil de suportar.

Talvez, tal como a mim, já te tenha acontecido algo assim. Chega um momento em que te apetece deixar tudo, deixar esse esforço diário de sintonizar a tua vida com Deus, viver como se Ele não existisse.

Quando assim acontece, a oração é a primeira coisa que deixamos de lado. Neste Domingo, celebrando a Ressurreição do Senhor, entrega-Lhe os teus cansaços e a tua vontade de desistir. Diz-Lhe com toda a verdade que fores capaz: «Senhor Deus, eu Vos dou graças pelo Vosso Amor e Fidelidade» e começa assim a tua semana.

O EVANGELHO COMEÇA EM CASA

Janeiro 25, 2014 Deixe um comentário

A liturgia deste domingo apresenta-nos o projecto de salvação e de vida plena que Deus tem para oferecer ao mundo e aos homens: o projecto do “Reino”.

Na primeira leitura, o profeta/poeta Isaías anuncia uma luz que Deus irá fazer brilhar por cima das montanhas da Galileia e que porá fim às trevas que submergem todos aqueles que estão prisioneiros da morte, da injustiça, do sofrimento, do desespero.

O Evangelho descreve a realização da promessa profética: Jesus é a luz que começa a brilhar na Galileia e propõe aos homens de toda a terra a Boa Nova da chegada do “Reino”. Ao apelo de Jesus, respondem os discípulos: eles serão os primeiros destinatários da proposta e as testemunhas encarregadas de levar o “Reino” a toda a terra.

A segunda leitura apresenta as vicissitudes de uma comunidade de discípulos, que esqueceram Jesus e a sua proposta. Paulo, o apóstolo, exorta-os veementemente a redescobrirem os fundamentos da sua fé e dos compromissos assumidos no baptismo.

LITURGIA DOMINICAL

Escola Paroquial de Ribamar 2ª Sessão

Janeiro 25, 2014 1 comentário

oradorA Escola Paroquial já realizou duas sessões: “Deus é Amor” com o P. Joaquim Martins e a “Caridade Social” com o prof. Bernardino Costa. Baseado na encíclica “Deus caritas est” nos Nº 22, 25a, 31b+c , 32, 37. Ensina-nos uma coisa importante que é o reconhecimento de que a acção social da Igreja ou caridade social é tão importante como a celebração dos sacramentos e o anúncio da Palavra. Outros ensinamentos: não confundir acção social com proselitismo; preservar sempre a feliz ligação entre evangelização e as obras de caridade, bem como entre a acção e a oração. No coração do Evangelho aparece a vida comunitária e o compromisso com os outros. Como somos criados à imagem da comunhão da SSma Trindade não podemos salvar-nos sozinhos; e é preciso cultivar sempre um espaço interior que dê sentido cristão ao compromisso e à actividade. Sem momentos prolongados de adoração, de encontro orante com a Palavra, de diálogo sincero com o Senhor, as tarefas facilmente se esvaziam de significado.

Na próxima semana os participantes vão continuar este tema com trabalho de grupos: um grupo na sexta-feira e no sábado outro grupo apoiados com um questionário apresentado pelo orador.

Aos que queiram vir à Escola Paroquial temos as portas abertas para entrarem em qualquer ocasião. É sempre das 21 h às 22.30 h, às sextas-feiras. Aproveita a ocasião.

Aparece.

alunos

Marcador para a Semana II do Tempo Comum, ano A

Janeiro 18, 2014 Deixe um comentário

Hoje é o 2.º Domingo do Tempo Comum.

Se te for possível, escolhe um lugar calmo para rezares o Credo e, deste modo, renova o teu Batismo, a tua fé e o teu compromisso cristão.

Marca, também deste modo, a diferença entre o Domingo e os outros dias da semana. Não permitas que esta diferença se perca, mesmo se tens de trabalhar, porque o Domingo é o Dia do Senhor, a celebração semanal da Sua Ressurreição.

Deixa que o Senhor Ressuscitado venha ao teu encontro, deixa-te contagiar pela Sua alegria e começa assim a tua semana de oração.

O CORDEIRO CARREGA O NOSSO PECADO

Janeiro 18, 2014 Deixe um comentário

A liturgia deste domingo coloca a questão da vocação; e convida-nos a situá-la no contexto do projeto de Deus para os homens e para o mundo. Deus tem um projeto de vida plena para oferecer aos homens; e elege pessoas para serem testemunhas desse projeto na história e no tempo.

A primeira leitura apresenta-nos uma personagem misteriosa – Servo de Jahwéh – a quem Deus elegeu desde o seio materno, para que fosse um sinal no mundo e levasse aos povos de toda a terra a Boa Nova do projeto libertador de Deus.

A segunda leitura apresenta-nos um “chamado” (Paulo) a recordar aos cristãos da cidade grega de Corinto que todos eles são “chamados à santidade” – isto é, são chamados por Deus a viver realmente comprometidos com os valores do Reino.

O Evangelho apresenta-nos Jesus, “o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo”. Ele é o Deus que veio ao nosso encontro, investido de uma missão pelo Pai; e essa missão consiste em libertar os homens do “pecado” que oprime e não deixa ter acesso à vida plena.

LITURGIA

ESCOLA PAROQUIAL

Janeiro 12, 2014 Deixe um comentário

Escola-Paroquial-2014Iniciámos no sábado, dia 12 de janeiro, o 7.º ano da Escola Paroquial estimulados pela proposta do nosso Patriarca, D. Manuel Clemente, como dinamização pastoral deste ano e na sequência do Ano da Fé: A Fé atua pela caridade. Recomendou-nos que estudemos a Encíclica “Deus é Amor”. Entretanto o Papa Francisco dirigiu-nos uma Exortação Apostólica “A Alegria do Evangelho” dizendo-nos: “Sereis felizes se o puserdes em prática”. Como o poremos em prática, se não o conhecermos?

Alguns perguntarão para que serve a Escola Paroquial. É o Papa Francisco que nos explica que devemos pôr os nossos olhos em Jesus Cristo Centro da nossa vida. Escola Paroquial porque o cristão precisa de descobrir de novo a alegria de crer e reencontrar o entusiasmo de comunicar a Fé. A fé em Jesus Cristo precisa de O conhecer. Como conhecê-l’O sem ouvirmos falar d’Ele. O próprio Jesus o disse: “Ide, pois, fazei discípulos de todos os povos, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a cumprir tudo o que vos tenho mandado” (Mt 28, 18)

O cristão precisa de tomar consciência de que Deus o ama, tem sempre a primazia e que nos chama a cooperar com Ele e que nos impulsiona com a força do Espírito Santo. O Papa Francisco diz-nos que “A causa missionária deve ser a primeira de todas as causas”. Deus pede-nos tudo, mas ao mesmo tempo dá-nos tudo. A alegria do Evangelho é para todo o povo. Cada cristão e cada comunidade tem de perceber qual é o caminho que o Senhor lhe pede, mas todos são convidados a aceitar este chamamento: sair da comodidade e ter a coragem de ir às periferias que precisam do Evangelho. Não podemos ficar nas igrejas, nos templos, tranquilos, há espera passivamente.

Temos de passar de uma pastoral conservadora para uma pastoral decididamente missionária. Ousemos tomar a iniciativa. É preciso anunciar, dizer aos outros que Deus nos ama. É logo na família, dizer aos filhos que Deus é nosso amigo e mostrar-lhes com gestos que Deus nos ama. Este primeiro anúncio convida-nos a deixarmo-nos amar por Deus e amá-lo com todo o Amor que Ele mesmo nos comunica, provoca na vida da pessoa e nas suas ações uma primeira e fundamental reação: desejar, procurar e levar a peito o bem dos outros. A prioridade é mesmo esta: “Saída de si próprio para o irmão”. E este é o sinal mais claro para se perceber o caminho do crescimento espiritual em resposta à doação absolutamente gratuita de Deus. “Só Deus faz crescer”.

É preciso renovar, sacudir, impelir a Igreja a sair para fora de si mesma. É o Papa que nos diz que para crescermos na Fé temos de ter uma pastoral mais comunicativa e aberta, que dê uma resposta positiva a todos aqueles a quem Jesus oferece amizade. Requer docilidade e criatividade missionária do pastor e da comunidade. A paróquia é comunidade de comunidades, santuário onde os sedentos vão beber para continuar a caminhar. A Igreja sabe envolver-se. Jesus lavou os pés aos discípulos. Jesus envolve-se e envolve os seus discípulos, pondo-se de joelhos diante dos outros para os lavar, dizendo que serão felizes se fizerem como Ele. O Senhor quer uma paróquia fecunda, que dê frutos. Cuida do trigo e não perde a paz por causa do joio. O semeador, quando vê surgir o joio no meio do trigo não fica a lamentar-se ou perturbado.

A Escola paroquial é para animar os cristãos a ser testemunhas da caridade. O que melhor nos identifica como discípulos: “É este meu mandamento: que vos ameis uns aos outros como Eu vos amei”, deixando-se transformar em Cristo, vivendo progressivamente “de acordo com o Espírito Santo”(Rom 8,5).

Portanto a educação e a catequese, a Escola Paroquial estão ao serviço deste crescimento, “ensinando-os a cumprir tudo quanto vos tenho mandado” (Mt 28,20).

Perguntas: 1.Que importância tem para ti a Escola Paroquial? 2. Achas que tem alguma relação com a caridade? 3. Que sentido tem o Papa dizer: “Sair de si próprio para o irmão”?

P. Batalha

 

Marcador para a Semana I do Tempo Comum

Janeiro 11, 2014 Deixe um comentário

Com a Festa do Batismo do Senhor chega ao fim o tempo litúrgico do Natal.

Deus concedeu-te a graça de celebrar o nascimento do Seu Filho, o Verbo Eterno que veio morar connosco.

E, agora, convida-te a segui-l’O, já adulto, pelos caminhos da Galileia e da Judeia, acolhendo com alegria a Boa Nova da Salvação.

Pede ao Senhor coragem para O seguir e servir naqueles com quem vives todos os dias. E com este pedido, dá início à tua semana de oração.

O céu abre-se para que possamos entrar

Janeiro 11, 2014 Deixe um comentário

A liturgia deste domingo tem como cenário de fundo o projeto salvador de Deus. No baptismo de Jesus nas margens do Jordão, revela-se o Filho amado de Deus, que veio ao mundo enviado pelo Pai, com a missão de salvar e libertar os homens. Cumprindo o projeto do Pai, Ele fez-Se um de nós, partilhou a nossa fragilidade e humanidade, libertou-nos do egoísmo e do pecado e empenhou-Se em promover-nos, para que pudéssemos chegar à vida em plenitude.

A primeira leitura anuncia um misterioso “Servo”, escolhido por Deus e enviado aos homens para instaurar um mundo de justiça e de paz sem fim… Investido do Espírito de Deus, Ele concretizará essa missão com humildade e simplicidade, sem recorrer ao poder, à imposição, à prepotência, pois esses esquemas não são os de Deus.

No Evangelho, aparece-nos a concretização da promessa profética: Jesus é o Filho/“Servo” enviado pelo Pai, sobre quem repousa o Espírito e cuja missão é realizar a libertação dos homens. Obedecendo ao Pai, Ele tornou-Se pessoa, identificou-Se com as fragilidades dos homens, caminhou ao lado deles, a fim de os promover e de os levar à reconciliação com Deus, à vida em plenitude.

A segunda leitura reafirma que Jesus é o Filho amado que o Pai enviou ao mundo para concretizar um projeto de salvação; por isso, Ele “passou pelo mundo fazendo o bem” e libertando todos os que eram oprimidos. É este o testemunho que os discípulos devem dar, para que a salvação que Deus oferece chegue a todos os povos da terra.

LITURGIA DOMINICAL

Infância Missionária

Janeiro 5, 2014 Deixe um comentário

Neste domingo primeiro do ano 2014, dia 5 de janeiro, celebra-se o “Dia da Infância Missionária”. Li na revista juvenil “Audácia” uma explicação concreta sobre a Infância missionária que achei interessante dar a conhecer. Porque as crianças e os adolescentes têm grandes potencialidades para serem discípulos ativos de Cristo.

Um Grupo da Paróquia de Bemposta (Porto) explica concretamente como faz missão na sua terra. Procuram ser uma presença viva na paróquia, com Oração e Atividades. Organizam momentos de oração, vigílias e terços na paróquia. Ajudam no grupo coral. Participam em peregrinações e em Via Sacra, encenando várias estações. Angariam fundos para crianças pobres. Cantam as janeiras. Dizem: “Inventamos formas divertidas de angariar fundos, rezar e crescer na Fé e como pessoas”. Estão a iniciar um projeto chamado “Adotar Avós”, em que cada criança ou adolescente adota um idoso(a) e lhe leva carinho, atenção e alegria, pedindo que contem histórias e ensinamentos, num intercâmbio de gerações. Tudo começou com a ideia de criar um grupo mais vocacionado para a missão e para a transmissão de valores como a solidariedade e a ajuda ao próximo que complementasse a catequese. Afinal é esse o lema da Infância Missionária. Quando foi dado a conhecer o projeto, as crianças ficaram sensibilizadas e quiseram logo formar um Grupo. Foi pedida orientação às Obras Missionárias e receberam ajuda de um Grupo de Infância Missionária do Brasil, com o qual mantém intercâmbio. Reúnem-se de 15 em 15 dias e têm um jornal semestral. Divertem-se porque o convívio saudável é a base do grupo. Ninguém tem obrigação de ir ao Grupo, mas ninguém falta. Um dos objetivos é a angariação de fundos para enviar para a Obra da Santa Infância que canaliza esses fundos para as crianças pobres do mundo. Procuram fazer diversas coisas de forma divertida: cantam as Janeiras, fazem feirinhas. Usam os mealheiros onde cada um deposita as suas pequenas renúncias e donativos dos familiares. E um dos compromissos é rezar uma ave-maria por dia por todas as crianças do mundo.

Numa altura em que tanto se fala de crise económica, é cada vez mais urgente sensibilizar as crianças e adolescentes para os valores da solidariedade, do serviço e da partilha. As crianças são muito sensíveis aos problemas dos outros e essa sensibilidade deve ser canalizada para que esses valores sejam postos em prática. Ao serem membros da Infância e Adolescência Missionária não só desenvolvem esses valores como evangelizam outras crianças que, ao verem o entusiasmo e empenho que os elementos do Grupo manifestam em todas as atividades, ficam entusiasmados e pedem para entrar também no Grupo. Por isso é que este grupo já tem 27 elementos. Nos encontros procuram criar um ambiente descontraído, com surpresas inesperadas, momentos de reflexão, de oração e de jogos. Há tempo para tudo. O entusiasmo, a alegria compensam bem o trabalho e a dedicação a preparar as atividades. O lema deste Grupo é “De mãos dadas, vamos todos contribuir e fazer todas as crianças sorrir”.

Pe. Batalha

Marcador da PALAVRA para a semana depois da Epifania

Janeiro 3, 2014 Deixe um comentário

Do Oriente chegam os Magos em busca do Messias recém-nascido. Não trazem certezas, colocam a sua confiança no brilho de uma estrela. São peregrinos a caminho de um santuário que não foi construído por mãos humanas; peregrinos em busca de uma criança anunciada desde os tempos antigos.

Nestes dias de Natal, procura seguir nos passos dos Magos como membro dessa inumerável multidão vinda do fundo dos séculos em busca do Salvador.

E começa assim a tua semana de oração.