Arquivo

Archive for Novembro, 2012

Marcador da Palavra para a 34.ª Semana do Tempo Comum

Novembro 24, 2012 Deixe um comentário

Coloca-te interiormente na presença do Senhor.

Considera como o Senhor do Universo se faz próximo de ti, fica contigo e se torna teu companheiro de caminho.

É este o Cristo Rei que a Igreja hoje celebra, o Rei humilde, com um trono em forma de cruz e uma coroa de espinhos, um Rei que apenas te ordena o Amor.

Diante deste Rei, procura experimentar o desejo de ser como Ele e com este desejo começa a tua semana de oração.

Marcador da Palavra para a 34.ª Semana do Tempo Comum (em breve)

É Como dizes: sou Rei

Novembro 24, 2012 Deixe um comentário

O Filho do Homem que nos é apresentado na visão profética de Daniel encontra eco na segunda leitura, extraída do Livro do Apocalipse. Em ambos os casos, é a glória de Deus que se manifesta nos últimos tempos: as duas descrições falam de uma vinda em poder, no meio das nuvens – que simbolizam o mistério inacessível de Deus – e de Alguém a Quem são entregues a plena soberania, a realeza absoluta. Diante d’Ele, Alfa e Ómega, princípio e fim de todas as criaturas, todos se inclinam. Deus reina para sempre! “O meu reino não é deste mundo”, ouviremos Jesus dizer a Pilatos no Evangelho. O Senhor identifica o Reino de Deus com o testemunho da Verdade, que é Ele próprio. “Para isto nasci, para isto vim ao mundo”.

O seu reino é a Verdade

Novembro 24, 2012 Deixe um comentário

No 34.º Domingo do Tempo Comum, celebramos a Solenidade de Jesus Cristo, Rei e Senhor do Universo. A Palavra de Deus que nos é proposta neste último domingo do ano litúrgico convida-nos a tomar consciência da realeza de Jesus; deixa claro, no entanto, que essa realeza não pode ser entendida à maneira dos reis deste mundo: é uma realeza que se concretiza de acordo com uma lógica própria, a lógica de Deus. O Evangelho, especialmente, explica qual é a lógica da realeza de Jesus.

A primeira leitura anuncia que Deus vai intervir no mundo, a fim de eliminar a crueza, a ambição, a violência, a opressão que marcam a história dos reinos humanos. Através de um “filho de homem” que vai aparecer “sobre as nuvens”, Deus vai devolver à história a sua dimensão de “humanidade”, possibilitando que os homens sejam livres e vivam na paz e na tranquilidade. Os cristãos verão nesse “filho de homem” vitorioso um anúncio da realeza de Jesus.

Na segunda leitura, o autor do Livro do Apocalipse apresenta Jesus como o Senhor do Tempo e da História, o princípio e o fim de todas as coisas, o “príncipe dos reis da terra”, Aquele que há-de vir “por entre as nuvens” cheio de poder, de glória e de majestade para instaurar um reino definitivo de felicidade, de vida e de paz. É, precisamente, a interpretação cristã dessa figura de “filho de homem” de que falava a primeira leitura.

O Evangelho apresenta-nos, num quadro dramático, Jesus a assumir a sua condição de rei diante de Pontius Pilatus. A cena revela, contudo, que a realeza reivindicada por Jesus não assenta em esquemas de ambição, de poder, de autoridade, de violência, como acontece com os reis da terra. A missão “real” de Jesus é dar “testemunho da verdade”; e concretiza-se no amor, no serviço, no perdão, na partilha, no dom da vida.

Marcador da Palavra para a 33.ª Semana do Tempo Comum

Novembro 17, 2012 Deixe um comentário

Prepara-te para esta semana de oração como quem se preparar para um encontro há muito esperado.

Ruma ao teu interior, coloca as tuas preocupações no lugar que lhes é próprio.

Liberta um lugar dentro de ti só para Aquele a quem esperas e cuja presença desejas ardentemente.

Procura não te apressares nos preparativos e procura também não te angustiares porque nem tudo está como desejavas.

Importante mesmo é que estejas disponível para o encontro com o Senhor.

Marcador da Palavra – 33.ª Semana do Tempo Comum

XXXIII Domingo Comum B 2012

Novembro 17, 2012 Deixe um comentário

Diz-nos Jesus que virá um tempo em que Ele enviará os seus “mensageiros” para reunir todos os que são seus.

Ser sacerdote é ser este “mensageiro” de um modo novo de viver, em que o mundo antigo passará e Cristo manifestará o Reino, onde Deus é verdadeiramente Senhor no coração dos Homens.

Deste tempo novo nos fala também o profeta: perante o desânimo do povo, Daniel anuncia que um Anjo – que quer dizer mensageiro – será enviado a ressuscitar quem está morto. Também hoje o Senhor precisa de “mensageiros” que levantem do pó da vida quem se encontra sem forças para viver.

Efetivamente, e podemos escutá-lo na segunda leitura, Deus chama, na sua Igreja, gente generosa e corajosa, que torna presente e atuante para a humanidade de hoje o único sacrifício de Cristo, que liberta o Homem das suas cadeias e escravidões.

Dás-te conta que a fruta já está madura?

Novembro 17, 2012 Deixe um comentário

A liturgia do 33.º Domingo do Tempo Comum apresenta-nos, fundamentalmente, um convite à esperança. Convida-nos a confiar nesse Deus libertador, Senhor da história, que tem um projeto de vida definitiva para os homens. Ele vai – dizem os nossos textos – mudar a noite do mundo numa aurora de vida sem fim.

A primeira leitura anuncia aos crentes perseguidos e desanimados a chegada iminente do tempo da intervenção libertadora de Deus para salvar o Povo fiel. É esta a esperança que deve sustentar os justos, chamados a permanecerem fiéis a Deus, apesar da perseguição e da prova. A sua constância e fidelidade serão recompensadas com a vida eterna.

No Evangelho, Jesus garante-nos que, num futuro sem data marcada, o mundo velho do egoísmo e do pecado vai cair e que, em seu lugar, Deus vai fazer aparecer um mundo novo, de vida e de felicidade sem fim. Aos seus discípulos, Jesus pede que estejam atentos aos sinais que anunciam essa nova realidade e disponíveis para acolher os projetos, os apelos e os desafios de Deus.

A segunda leitura lembra que Jesus veio ao mundo para concretizar o projeto de Deus no sentido de libertar o homem do pecado e de o inserir numa dinâmica de vida eterna. Com a sua vida e com o seu testemunho, Ele ensinou-nos a vencer o egoísmo e o pecado e a fazer da vida um dom de amor a Deus e aos irmãos. É esse o caminho do mundo novo e da vida definitiva.

MARCADOR PARA A 32.ª SEMANA DO TEMPO COMUM – ano B

Novembro 10, 2012 Deixe um comentário

Agradece ao Senhor este semana, estes dias, minutos de encontro com Ele.

Agradece simplesmente porque o Senhor está contigo, porque é o teu Deus.

Procura que esta atitude de gratidão fique a marcar a tua semana e, com este desejo, começa a tua semana de oração.

MARCADOR PARA A 32.ª SEMANA DO TEMPO COMUM – ano B

XXXII Domingo Comum B 2012

Novembro 10, 2012 Deixe um comentário

Também nós aguardamos o dia em que, vestidos de túnicas brancas, poderemos subir à montanha do Senhor para O contemplarmos e adorarmos, em caridade, na Sua presença. O Salmo que vai ser cantado apresenta-nos alguns dos requisitos indispensáveis para virmos a ser mais do que filhos do Deus três vezes Santo, como deixa antever a soberba teologia de S. João. Só há um caminho: o das Bem-aventuranças.

Jesus fica sensibilizado com a atitude de uma viúva que, tal como aquela que na primeira leitura sacia a fome de Elias, dá tudo o que tem. A sua atitude revela um coração agradecido e confiante no amor e na providência de Deus. A vocação é isto mesmo: uma questão de confiança e amor.

É a essa mesma atitude de desprendimento e gratuidade que o Senhor chama os jovens: a darem tudo aquilo que são, mesmo que lhes pareça pouco ou insuficiente – é sempre o bastante para que Deus sacie a fome de viver de tantas pessoas do nosso tempo.

Na segunda leitura, olhamos para um Cristo que Se entregou sem reservas à vontade do Pai, por amor à humanidade. Deus continua a chamar para que, sem reservas nem condições, entreguemos a vida, de forma a poder “dar a salvação àqueles que O esperam”.

No evangelho os mais importantes são os que servem

Novembro 10, 2012 Deixe um comentário

A liturgia do 32º Domingo do Tempo Comum fala-nos do verdadeiro culto, do culto que devemos prestar a Deus. A Deus não interessam grandes manifestações religiosas ou ritos externos mais ou menos sumptuosos, mas uma atitude permanente de entrega nas suas mãos, de disponibilidade para os seus projectos, de acolhimento generoso dos seus desafios, de generosidade para doarmos a nossa vida em benefício dos nossos irmãos.

A primeira leitura apresenta-nos o exemplo de uma mulher pobre de Sarepta, que, apesar da sua pobreza e necessidade, está disponível para acolher os apelos, os desafios e os dons de Deus. A história dessa viúva que reparte com o profeta os poucos alimentos que tem, garante-nos que a generosidade, a partilha e a solidariedade não empobrecem, mas são geradoras de vida e de vida em abundância.

O Evangelho diz, através do exemplo de outra mulher pobre, de outra viúva, qual é o verdadeiro culto que Deus quer dos seus filhos: que eles sejam capazes de Lhe oferecer tudo, numa completa doação, numa pobreza humilde e generosa (que é sempre fecunda), num despojamento de si que brota de um amor sem limites e sem condições. Só os pobres, isto é, aqueles que não têm o coração cheio de si próprios, são capazes de oferecer a Deus o culto verdadeiro que Ele espera.

A segunda leitura oferece-nos o exemplo de Cristo, o sumo-sacerdote que entregou a sua vida em favor dos homens. Ele mostrou-nos, com o seu sacrifício, qual é o dom perfeito que Deus quer e que espera de cada um dos seus filhos. Mais do que dinheiro ou outros bens materiais, Deus espera de nós o dom da nossa vida, ao serviço desse projeto de salvação que Ele tem para os homens e para o mundo.

MARCADOR PARA A 31.ª SEMANA DO TEMPO COMUM – ano B

Novembro 3, 2012 2 comentários

Só tu sabes como chegaste aqui, que desejo profundo fez brotar a fonte da tua oração, ou talvez nem tu saibas.

Sabes simplesmente que desejas encontrar-te com Deus.

E o Senhor diz-te: «Eu estou perto de ti, estou perto de todos os que me invocam».

Podes responder-Lhe com as palavras do apóstolo Tomé: «Meu Senhor e meu Deus».

Repetindo lentamente este ato de fé, começa a tua semana de oração.

MARCADOR PARA A 31.ª SEMANA DO TEMPO COMUM – ano B