Arquivo

Archive for Abril, 2011

MARCADOR PARA A SEGUNDA SEMANA DA PÁSCOA

O mês de maio que está a começar é dedicado, pela Igreja, a fazer memória de Maria de Nazaré, a mãe de Jesus.

É uma devoção popular muito viva em Portugal.

Durante esta semana, damos graças a Deus por Maria, a mãe do Senhor Jesus Ressuscitado.

Marcador para a 2.ª semana da Pascoa

**************************

Anúncios

NOS IRMÃOS E NOS SACRAMENTOS, EU ESTOU PRÓXIMO

A liturgia deste domingo apresenta-nos essa comunidade de Homens Novos que nasce da cruz e da ressurreição de Jesus: a Igreja. A sua missão consiste em revelar aos homens a vida nova que brota da ressurreição.

Na primeira leitura temos, na “fotografia” da comunidade cristã de Jerusalém, os traços da comunidade ideal: é uma comunidade fraterna, preocupada em conhecer Jesus e a sua proposta de salvação, que se reúne para louvar o seu Senhor na oração e na Eucaristia, que vive na partilha, na doação e no serviço e que testemunha – com gestos concretos – a salvação que Jesus veio propor aos homens e ao mundo.

No Evangelho sobressai a ideia de que Jesus vivo e ressuscitado é o centro da comunidade cristã; é à volta d’Ele que a comunidade se estrutura e é d’Ele que ela recebe a vida que a anima e que lhe permite enfrentar as dificuldades e as perseguições. Por outro lado, é na vida da comunidade (na sua liturgia, no seu amor, no seu testemunho) que os homens encontram as provas de que Jesus está vivo.

A segunda leitura recorda aos membros da comunidade cristã que a identificação de cada crente com Cristo – nomeadamente com a sua entrega por amor ao Pai e aos homens – conduzirá à ressurreição. Por isso, os crentes são convidados a percorrer a vida com esperança (apesar das dificuldades, dos sofrimentos e da hostilidade do “mundo”), de olhos postos nesse horizonte onde se desenha a salvação definitiva.

ALELUIA!

MORREU PARA RESSUSCITAR

Não busqueis entre os mortos Aquele que está vivo !

Deus começou a nova vida, na Vida nova do Ressuscitado de entre os mortos.

O Crucificado passou a viver uma Vida nova.

Jorrando, do Seu coração trespassado, sangue e água, uma Vida nova começa. Nasce a Igreja.

É a hora da nova criação. É a hora do Homem novo, nascido pela água e pelo Espírito.

Participamos da Vida de Cristo Ressuscitado. “Já que fostes ressuscitados com Cristo… Aspirai às coisas do alto e não às coisas da terra… Crucificai os vossos membros no que toca à prática de coisas da terra: impureza, paixão, mau desejo e ganância, que é uma idolatria… Não mintais uns aos outros, já que vos despistes do homem velho, com as suas ações, e vos revestistes do homem novo, aquele que, para chegar ao conhecimento, não cessa de ser renovado à imagem do seu Criador… Acima de tudo isto, revesti-vos do Amor, que é o laço da perfeição. Reine nos vossos corações a paz de Cristo, à qual fostes chamados num só corpo. E sede agradecidos. A Palavra de Cristo habite em vós com toda a sua riqueza: ensinai-vos e admoestai-vos uns aos outros com toda a sabedoria; cantai a Deus, nos vossos corações, a vossa gratidão, com salmos, hinos e cânticos inspirados. E tudo quanto fizerdes por palavras ou por obras, fazei-o em nome do Senhor Jesus, dando graças por Ele a Deus Pai”. (Col. 3, 1-17).

Com a força do Ressuscitado testemunhemos a Alegria e a Esperança.

Feliz Páscoa ! Aleluia !

P. Batalha


MARCADOR PARA A OITAVA DA PÁSCOA

Povos todos, louvai o Senhor: o Senhor Jesus Cristo Ressuscitou e o mundo mudou para sempre.

A morte nunca terá a última palavra. Para celebrar tão grande alegria, a Igreja propõe-te a Oitava da Páscoa, desde Domingo da Ressurreição até ao Domingo seguinte, toda uma semana vivida como se fosse um só dia. «Povos todos, louvai o Senhor». Junta a tua voz a este hino de alegria e transforma a tua oração num cântico de louvor.

Marcador da Palavra para a Oitava da Pascoa

***********************************************************

EIS O DIA QUE O SENHOR FEZ (Sl 117, 24)

A liturgia do Domingo de Páscoa celebra a ressurreição e garante-nos que a vida em plenitude resulta de uma existência feita dom e serviço em favor dos irmãos. A ressurreição de Cristo é o exemplo concreto que confirma tudo isto.

A primeira leitura apresenta o exemplo de Cristo que “passou pelo mundo fazendo o bem” e que, por amor, Se deu até à morte; por isso, Deus ressuscitou-O. Os discípulos, testemunhas desta dinâmica, devem anunciar este “caminho” a todos os homens.

O Evangelho coloca-nos diante de duas atitudes face à ressurreição: a do discípulo obstinado, que se recusa a aceitá-la porque, na sua lógica, o amor total e a doação da vida nunca podem ser geradores de vida nova; e a do discípulo ideal, que ama Jesus e que, por isso, entende o seu caminho e a sua proposta (a esse não o escandaliza nem o espanta que da cruz tenha nascido a vida plena, a vida verdadeira).

A segunda leitura convida os cristãos, revestidos de Cristo pelo batismo, a continuarem a sua caminhada de vida nova até à transformação plena (que acontecerá quando, pela morte, tivermos ultrapassado a última barreira da nossa finitude).

VIGÍLIA PASCAL

Sábado, 22:00 – Vigília da Ressurreição, em Ribamar (Liturgia da Luz – Lucernário; Liturgia da Palavra; Proclamação da Salvação; Liturgia Batismal/Profissão de Fé; Liturgia Eucarística)

DOMINGO DE PÁSCOA

INCLINANDO A CABEÇA DEU-NOS O ESPÍRITO

Sexta-feira Santa da Paixão do Senhor

Foste Tu, Senhor, que sofreste a morte para que eu viva!

Tal pode ser o nosso grito, neste dia em que fazemos memória do processo de Jeus, da sua via-sacra e da sua morte. A liturgia do Tríduo Pascal, na sua pedagogia, convida-nos, também a nós, a tomarmos o caminho do Calvário, a “passarmos” com Ele. Com os olhos fixos em Jesus, entremos nesse grande combate da morte pela Vida, a do Ressuscitado.

Este mistério vivido por Cristo há dois mil anos, ainda hoje se desenrola diante dos nossos olhos, através dos que sofrem a fome, a guerra, a doença…

A liturgia da Palavra iniciada com a oração silenciosa, seguida de uma coleta, com as preces dos fiéis, tem a forma original das primeiras Eucaristias. A ORAÇÃO DOS FIÉIS hoje tem um relevo especial. Com toda a devoção, pomos aos pés da CRUZ a humanidade inteira.

O rito de adoração da Cruz vem de Jerusalém, séc. IV. Em Roma celebrava-se uma procissão com a relíquia da “Verdadeira Cruz”, que ia da basílica de Latrão à basílica da “Santa Cruz de Jerusalém”, na qual o Papa ia descalço durante todo o trajeto. A adoração de hoje converte-se num sacramento amável.

O jejum de Sexta-feira Santa é o mais riguroso do ano, já que é um dia inclusive “sem Eucarista”. Comungamos do Pão consagrado  na Quinta-feira Santa.

JESUS NÃO QUER DOMINAR MAS SERVIR

Quinta-Feira Santa na Ceia do Senhor

“Na noite em que ia ser entregue, o Senhor tomou o pão” (1 Co 11,23)

A Quinta-Feira Santa anuncia o fim da Quaresma e a entrada no mistério pascal. A missa da tarde, a que todos os cristãos são convidados, comemora a última refeição, a Ceia, que Jesus tomou com os seus discípulos ao cair da noite em que devia ser entregue.

Jesus institui nesse fim de tarde a Eucaristia. Anuncia que a sua Presença permanecerá viva no sacramento do seu Corpo e do seu Sangue.

Nesse mesmo dia, durante essa mesma refeição, Jesus lava os pés aos seus discípulos. Ajoelha-se diante de cada um dos doze, testemunhando assim a ternura que tem para com eles. Este gesto do lava-pés é retomado durante a missa de Quinta-Feira Santa. Significa que devemos todos ser servos uns dos outros.

Tirou as vestes”, é o mesmo verbo de “entregou a vida” (em grego: tizenai). Assim João relaciona o lava-pés com a sua morte. O abaixamento de Jesus traz-nos a Salvação. É essencial que nós façamos o mesmo, despojando-nos de nós e SERVINDO, com o fim de Salvar o mundo.

Depois de nos ter dado o seu ensinamento, através da pregação e dos milagres, agora Jesus resume tudo num banquete. Com o seu PÃO comungamos tudo o que Ele fez e entramos em COMUNHÃO com todos os homens e mulheres que Ele salvou, através do AMOR.

Para Jesus a vida não é domínio, mas OFERENDA aos outros. O seu amor sem restrição é uma MORTE para Ele mesmo, para que os outros cresçam. A Eucaristia é o Sacramento deste amor que dá TUDO. Jesus diz-nos: este é o meu estilo, fazei-o da mesma maneira.

DIA MUNDIAL DA JUVENTUDE

Queridos amigos, hoje é o vosso dia.

Sabeis que vós tendes sido sempre a nossa prioridade pastoral. Exemplo disto também foi o grande Papa João Paulo II que, no próximo dia 1 de maio, a Igreja vai celebrar a sua Beatificação. Seguindo as suas pegadas, este Papa Bento XVI também vos dedica muito carinho. Ainda vos recordais quando ele, no ano passado, esteve em Lisboa, como vos tratou com simpatia, alegria e carinho. Recordo só estas suas palavras, no dia 11 de maio à noite: “Queridos amigos, gostei da vossa participação viva e numerosa na Eucaristia desta tarde, no Terreiro do Paço, dando provas da vossa Fé e vontade de construir o futuro sobre o Evangelho de Jesus Cristo…”.

Ele convidou-vos para ir ter com ele a Madrid, em agosto, onde marcou Encontro com a Juventude do Mundo. Alguns de vós, talvez uns 20, estais a preparar-vos para ir lá. É por causa disso que a juventude de St.ª Bárbara organiza hoje o seu “1º Trilho sobre Rodas”, num passeio de BTT.

Na sua última mensagem, Bento XVI diz: “Marcamos encontro em Madrid, com o tema: «Enraizados e edificados em Cristo… firmes na fé» (cf. Cl 2, 7). Por conseguinte, convido-vos para este encontro tão importante para a Igreja na Europa e para a Igreja universal. E gostaria que todos os jovens, quer os que compartilham a nossa fé em Jesus Cristo, quer todos os que hesitam, que estão na dúvida ou não creem n’Ele, possam viver esta experiência, que pode ser decisiva para a vida: a experiência do Senhor Jesus Ressuscitado e Vivo e do seu amor por todos nós”.

Amigos, viveis hoje numa sociedade que vos trata com muita agressividade. Sede corajosos. Não tenhais medo. Estais numa idade de busca de sentido da vida, do sonho, das aspirações de ir mais além, construindo novas relações vividas na verdade e na solidariedade. É a idade de procurar conhecer o verdadeiro amor, para fundar uma família unida, de procurar encontrar trabalho, alcançar uma estabilidade pessoal e segurança real que possam garantir um futuro sereno e feliz.

Bento XVI recorda: “Faz parte do ser jovem desejar algo mais do que a vida quotidiana regular de um emprego seguro e sentir o anseio pelo que é realmente grande…O homem é verdadeiramente criado para aquilo que é grande, para o infinito. Qualquer outra coisa é insuficiente. Santo Agostinho tinha razão: ‘o nosso coração está inquieto enquanto não repousar em Ti’. … A pessoa humana, feita à imagem de Deus, aspira ao amor, à alegria e à paz. Compreendemos então que é um contrassenso pretender eliminar Deus para fazer viver o homem! Deus é a fonte da vida; eliminá-lo equivale a separar-se desta fonte e, inevitavelmente, a privar-se da plenitude e da alegria.”

Reparai, amigos, no lema proposto que é forte e dinâmico, como gostais: Enraizados e fundados em Cristo, firmes na Fé. As imagens da árvore e da casa são ricas, porque cheias de significado e de profundidade, para vos desenvolverdes numa Fé sólida, firme, resistente aos ventos fortes desta sociedade em que alguns rejeitam a presença de Deus. A vida sem Deus é um inferno. São as divisões, as discórdias, as desavenças, os egoísmos, os ódios, as invejas, as mentiras, as violências… onde falta o amor, a alegria e a esperança. Procurai todos os dias seguir a Palavra de Deus. Para isso vos oferecemos todos os domingos o “marcador da Palavra”.

Como S. Tomé, aproximemo-nos de Jesus para o conhecermos; aprendei a ver e encontrar Jesus na Eucaristia e no sacramento da misericórdia; reconhecei Jesus nos outros (“O que fizerdes ao mais pequeno dos meus irmãos é a Mim que o fazeis!”), sobretudo pobres e doentes.

Solidificai a vossa Fé pessoal em Cristo, conversando com Ele. Como diz S. João: «Quem é que vence o mundo senão aquele que crê que Jesus é Filho de Deus?» (1 Jo 5, 5). Membros desta família de batizados amparai-vos pela Fé da Igreja, em grupos para nos protegermos dos perigos. A Igreja conta convosco e precisa de vós. A vossa presença também lhe dá vida nova. Não é o que notais nas nossas comunidades? Não é por acaso que temos dois jovens (Vera e Samuel) voluntários missionários em África. Vós sois também a minha alegria ! Abraço-vos com amizade.

 P. Batalha

MARCADOR DA PALAVRA PARA A SEMANA SANTA

Este Domingo inaugura a semana da Paixão e da Ressurreição, a Semana Santa, também chamada Semana Maior, pois os acontecimentos que a preenchem não podem ser contidos nos dias de uma semana normal. Esta semana és chamado a viver a tensão dos grandes momentos, dos acontecimentos decisivos.

Marcador para a Semana_Santa

**************************************************