Archive

Archive for Janeiro, 2011

MENSAGEM DA VERA

Janeiro 30, 2011 Deixe um comentário

Estou muito bem, graças a Deus! A vida aqui no Uíge tem sido plena, tenho descoberto e vivido muitas maravilhas deste pequeno e, simultaneamente, tão grandioso reino de Deus! Efectivamente, é no meio dos mais simples e dos mais pobres, que se vê tão bem espelhado o rosto de Jesus… a força e a alegria que emana de uma grande fé, como a destas pessoas, que nada têm, mas tudo agradecem!

A formação com o grupo das mamãs já começou, elas estão muito contentes, havia de ver o brilho no seu olhar e a atenção com que nos escutam… E, entretanto, no dia 1 Fevereiro, arrancam as obras. Como lhe expliquei, estas estão a cargo da “Rosto Solidário”, que vai construir a sala de formação – para a formação humana, cívica, alfabetização e a formação em costura, bem como vai servir de salão/igreja, a sala para ser colocado o moinho para a moagem da farinha de mandioca, uma “cantina” (assim designada aqui é uma vulgar mercearia) e posteriormente o espaço infantil. Não sei quanto tempo demorará todo este processo, mas o que sinto é que esta comunidade do Papelão é muito coesa e unida, e em muito anseia também desenvolver-se e crescer, e nós estamos aqui para o melhor lhes poder proporcionar. Queria agradecer-lhe pessoalmente uma vez mais o seu apoio, a sua sensibilidade, proactividade e espírito de missão partilhada, acredito que todos nós saímos de coração cheio destes gestos de entreajuda e solidariedade, e só assim faz sentido…”em tudo amar e servir o próximo”, a nossa felicidade, e o sonho de Deus para nós passa pela felicidade do outro que caminha a nosso lado, ou a que conseguimos ir ao encontro!

Esperarei pelas vossas ofertas, que tanto vão alegrar, formar e educar as gentes desta província do Uíge…não se preocupe que arranjarei forma de ir buscar as coisas a Luanda!

Obrigado ainda pela lembrança do meu aniversário, foram sem dúvida uns 29 anos únicos e inesquecíveis, vividos com muita alegria, serenidade, felicidade, gratidão e sentimento de união e harmonia!

Fico também muito contente pela partida do Samuel para Moçambique, bem como, daqui a uns meses, da minha querida professora primária Celina! A nossa paróquia está a germinar novas vocações, e vai ver que não iremos ficar por aqui… é um testemunho muito importante para os mais jovens estas “nossas” missões!

Li também sobre a ACN juvenil e pareceram-me óptimos os seus objectivos, força!

Deixo-lhe um pequeno presente, espero que goste! São imagens do Grupo da Ajuda Mútua, das mamãs do Bairro do Papelão. Desde que as conheci e comecei a trabalhar com elas que lhes falei da nossa padroeira, e fiz questão de colocar a imagem que trouxe comigo no altar, quer durante as orações quer durante as formações, e ela sempre nos guiou!

Sinto assim que estamos deste modo unidos também convosco!

Vera Rato


BAPTISTÉRIO E BAPTISMO

Janeiro 29, 2011 Deixe um comentário

Eis o que nos diz o Catecismo da Igreja Católica: “O Baptismo é o fundamento de toda a vida cristã, a porta da vida no Espírito e a entrada para o acesso aos outros sacramentos: Crisma, Eucaristia, Penitência ou confissão, Unção dos Enfermos, Ordem e Matrimónio.

Pelo Baptismo somos libertados do pecado e regenerados como filhos de Deus, tornamo-nos membros de Cristo, somos incorporados na Igreja e tornamo-nos participantes da sua missão. (CIC 1213).

O Baptistério é o lugar onde está situada a Fonte Baptismal, da qual se nasce para a vida nova pelo Espírito ou seja é também o útero da Igreja onde se é gerado e do qual se nasce para a Fé em Jesus Cristo. “Aí se celebra o Baptismo, o primeiro sacramento da Nova Aliança” (Livro das Bênçãos n.º 832).

No princípio do Cristianismo o Baptistério era uma Capela onde se dava a Catequese aos catecúmenos e aí era administrado o Baptismo.

O Baptismo que nos mergulha na Fonte Baptismal significa que morremos para o pecado com Cristo e com ele ressuscitamos para uma vida nova. É isto que nos diz S. Paulo: “Todos nós, que fomos baptizados em Cristo Jesus, fomos baptizados na sua morte. Pelo Baptismo fomos, pois, sepultados com Ele na morte, para que, tal como Cristo foi ressuscitado de entre os mortos pela glória do Pai, também nós caminhemos numa vida nova” (Rom 6, 3-5).

O Baptismo, banho de água acompanhado da Palavra da Vida (Ef 5, 26), limpa os homens de toda a mancha da culpa, tanto original como pessoal, e torna-os participantes  da natureza divina (2 Pe 1, 4) e da adopção de filhos (Gal 4, 5).

O Baptismo é o banho de regeneração dos filhos de Deus (Tit 3, 5) e do seu nascimento do alto (Ritual 5).

O Baptismo faz-nos participar no mistério do Espírito Santo; S. Pedro quando convidou os primeiros cristãos convertidos para o Baptismo, disse-lhes: “Convertei-vos e seja cada um de vós baptizado em nome de Jesus Cristo, para remissão dos pecados e recebereis, então, o dom do Espírito Santo” (Act 2, 37-38).

Dá-nos o seu dom (Act 2, 38), marca-nos com o seu selo (2 Cor 1, 21-22 e Ef 1, 13), coloca o Espírito em nossos corações (2 Cor 1, 22 e Rom 5, 5).

Através do Baptismo o cristão compromete-se a viver como Cristo Jesus, participando de sua tríplice missão: a de oferecer a vida a Deus num sacrifício espiritual quotidiano, a de anunciar e testemunhar a Palavra do Criador com a própria vida e finalmente a de colocar os dons recebidos por Deus ao serviço do próximo e para o bem comum.

Iniciação Cristã: O Baptismo é a entrada na Escola de Deus. Como não é a inscrição na Escola que nos garante o diploma, também não é a certidão do Baptismo que nos garante a Salvação.

Aquele que deseja tornar-se cristão procura conhecer o mistério pascal de Cristo. Não assume qualquer tipo de vida, mas a Vida do Espírito.

Por isso a iniciação cristã é constituída pelos três grandes sacramentos: Baptismo, Crisma e Eucaristia ou seja pela tríade: banho, unção e mesa. O Baptismo indica a nova pessoa que devemos ser. O Crisma indica o testemunho que devemos dar.

A Eucaristia, a mesa do Alimento que nos mantém com Cristo. A pessoa acolhida pelo Espírito no Baptismo, torna-se nova criatura. Efectua-se a passagem da morte para a vida (Rom 6, 4), do reino das trevas para o reino da Luz. Pelo Baptismo a pessoa torna-se membro do Corpo de Cristo, entra em comunhão que a Eucaristia realiza em plenitude. A Eucaristia é a Fonte e o cume de toda a vida cristã (SC 10).

O Baptismo introduz-nos na Aliança; o Espírito, que recebemos no Crisma, constitui o Espírito da Nova Aliança. A Eucaristia é o centro dessa Aliança. O concílio Vaticano II veio reforçar esta unidade.

P. Batalha


MARCADOR PARA A SEMANA IV DO TEMPO COMUM

Janeiro 28, 2011 Deixe um comentário

Marcador da Palavra para a Semana 4 do Tempo Comum

Nesta semana procura fazer a experiência de rezar com o coração: não uses muitas palavras, deixa que cresçam em ti sentimentos de confiança, alegria, disponibilidade para acolher o Senhor que deseja encontrar-Se contigo e deixa que o Senhor ilumine os recantos mais sombrios do teu coração, para que o medo, a desconfiança, o ódio não tenham lugar na tua vida.

A NOVA LEI que resume o que é essencial para o REINO

Janeiro 28, 2011 Deixe um comentário

Monte das Bem-aventuranças

As leituras deste domingo propõem-nos uma reflexão sobre o “Reino” e a sua lógica. Mostram que o projecto de Deus – o projecto do “Reino” – roda em sentido contrário à lógica do mundo… Nos esquemas de Deus – ao contrário dos esquemas do mundo – são os pobres, os humildes, os que aceitaram despir-se do egoísmo, do orgulho, dos próprios interesses que são verdadeiramente felizes. O “Reino” é para eles.

Na primeira leitura, o profeta Sofonias denuncia o orgulho e a auto-suficiência dos ricos e dos poderosos e convida o Povo de Deus a converter-se à pobreza. Os “pobres” são aqueles que se entregam nas mãos de Deus com humildade e confiança, que acolhem com amor as suas propostas e que são justos e solidários com os irmãos.

Na segunda leitura, Paulo denuncia a atitude daqueles que colocam a sua esperança e a sua segurança em pessoas ou em esquemas humanos e que assumem atitudes de orgulho e de auto-suficiência; e convida os crentes a encontrar em Cristo crucificado a verdadeira sabedoria que conduz à salvação e à vida plena.

O Evangelho apresenta a magna carta do “Reino”. Proclama “bem-aventurados” os pobres, os mansos, os que choram, os que procuram cumprir fielmente a vontade de Deus, porque já vivem na lógica do “Reino”; e recomenda aos crentes a misericórdia, a sinceridade de coração, a luta pela paz, a perseverança diante das perseguições: essas são as atitudes que correspondem ao compromisso pelo “Reino”.

UM PAÍS A MENDIGAR

Janeiro 22, 2011 Deixe um comentário

Mendigar Painting by Angel Ortiz, in http://fineartamerica.com

Um dia destes acordei a sonhar: quando era criança, éramos todos pobres, mas havia ainda os mais pobres que passavam de casa em casa pedindo uma sopa ou esmola. Estendiam a mão e rezavam pelos falecidos da família. Veio-me esta imagem ao pensamento e acordei. Logo me ocorreu o que se passa no País. Todavia é diferente. É o nosso Governo de mão estendida a pedir que lhe comprem dívida pública. Triste figura andamos nós aí a fazer de mão estendida: à Venezuela, à China, ao Qatar, a este e àquele…a mendigar.

Como é que agravámos a crise ? Há muito que matámos o bom senso. Endeusámos o lucro ganancioso e deitámos fora os valores morais. Temos aí os efeitos com a crise.

O engodo do lucro financeiro fácil, mas virtual com os offshores. Ou seja: é a adoração do deus-mercado, a supremacia da mentalidade neoliberal, unida a uma globalização que marginaliza os pobres, tirando o máximo proveito das riquezas, escapando às obrigações estatais, aos encargos fiscais e às despesas de solidariedade.

A banca desregulou-se e desgovernou-se há um tempo ao permitir e incentivar  ao crédito do consumo. O que originou ? A que o cartão servisse para tudo e mais alguma coisa, mesmo quando não se tem dinheiro; é empréstimo sobre empréstimo, logo, endividamento sobre endividamento. Deseducou-se a população, não ensinando à lei e regra, tão básica como fundamental, da poupança, do crédito ao investimento.

A população foi também deseducada ao deixar os campos, os terrenos agrícolas. Assim deixa-se de produzir convenientemente, de gerar riqueza interna. Por isso, importamos mais de 60% da carne que consumimos

O Governo impôs medidas de austeridade, mas não olha si. Por exemplo, nós temos 13.740 organismos públicos, dos quais só 1.724 apresentam contas e apenas 418 são fiscalizados; portanto o Estado não conhece a sua real dimensão e, assim , não controla os dinheiros que gasta. E que vão para publicidade, viagens, concertos, flores, patrocínios a clubes de futebol, brindes e produtos promocionais, compras de tapetes de Arraiolos e de garrafas de uísque, etc, etc…

Esta crise sendo económico-financeira é também política, civilizacional, ambiental, moral e espiritual. E este Governo tem sérias responsabilidades, porque em vez de cuidar do desenvolvimento do País, deu primazia às questões fracturantes, como o divórcio avulso, aborto grátis e a pedido, o casamento entre os do mesmo sexo, a educação sexual que afinal se resume ao uso do preservativo e da pílula do dia seguinte, fecho de maternidades e escolas,.,levando-nos a todos para o abismo, pretendendo iludir-nos com o anúncio de obras faraónicas. Que ética ou moral é esta !? Facilitismos que dá na lei da selva em que nos encontramos. Eis aí o desemprego e a pobreza…assaltos e insegurança.

Sabemos que a crise está para demorar. Porém, não perdemos a Esperança e temos muitas provas disso: no voluntariado, na solidariedade, por exemplo do Banco Alimentar contra a fome, nas Dioceses com a criação dos Fundos sociais e incontáveis iniciativas de todo o género por toda a parte, como por exemplo: muitos desempregados que criaram empregos. Evidentemente que o desemprego e o trabalho precário que têm sido responsáveis pela fragilidade e pelo empobrecimento em que se encontram muitas famílias são um forte apelo à mudança de hábitos de consumo, à criação de novos estilos de vida, mais sóbrio e solidário.

P. Batalha

MARCADOR DA PALAVRA – 3ª Semana do Tempo Comum

Janeiro 22, 2011 Deixe um comentário

O amor dá sentido à vida, torna a vida verdadeiramente humana. Se amas, Deus está em ti, e tu conheces a Deus, pois, como diz S. João numa das suas cartas, «quem não ama não conhece a Deus, porque Deus é amor». Procura que esta semana seja uma descoberta do amor de Deus por todas as suas criaturas e pede ao Senhor que te ensine a amar ao Seu jeito, para não embrulhares o teu egoísmo com palavras de amor.

Marcador da Palavra para a 3ª Semana do Tempo Comum

O Reino está próximo, embora o caminho seja longo…

Janeiro 22, 2011 Deixe um comentário

A liturgia deste domingo apresenta-nos o projecto de salvação e de vida plena que Deus tem para oferecer ao mundo e aos homens: o projecto do “Reino”.

Na primeira leitura, o profeta/poeta Isaías anuncia uma luz que Deus irá fazer brilhar por cima das montanhas da Galileia e que porá fim às trevas que submergem todos aqueles que estão prisioneiros da morte, da injustiça, do sofrimento, do desespero.

O Evangelho descreve a realização da promessa profética: Jesus é a luz que começa a brilhar na Galileia e propõe aos homens de toda a terra a Boa Nova da chegada do “Reino”. Ao apelo de Jesus, respondem os discípulos: eles serão os primeiros destinatários da proposta e as testemunhas encarregadas de levar o “Reino” a toda a terra.

A segunda leitura apresenta as vicissitudes de uma comunidade de discípulos, que esqueceram Jesus e a sua proposta. Paulo, o apóstolo, exorta-os veementemente a redescobrirem os fundamentos da sua fé e dos compromissos assumidos no baptismo.

CADA BAPTIZADO É UM FILHO DE DEUS

Janeiro 14, 2011 Deixe um comentário

A liturgia deste domingo coloca a questão da vocação; e convida-nos a situá-la no contexto do projecto de Deus para os homens e para o mundo. Deus tem um projecto de vida plena para oferecer aos homens; e elege pessoas para serem testemunhas desse projecto na história e no tempo.

A primeira leitura apresenta-nos uma personagem misteriosa – Servo de Jahwéh – a quem Deus elegeu desde o seio materno, para que fosse um sinal no mundo e levasse aos povos de toda a terra a Boa Nova do projecto libertador de Deus.

A segunda leitura apresenta-nos um “chamado” (Paulo) a recordar aos cristãos da cidade grega de Corinto que todos eles são “chamados à santidade” – isto é, são chamados por Deus a viver realmente comprometidos com os valores do Reino.

O Evangelho apresenta-nos Jesus, “o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo”. Ele é o Deus que veio ao nosso encontro, investido de uma missão pelo Pai; e essa missão consiste em libertar os homens do “pecado” que oprime e não deixa ter acesso à vida plena.

CAMINHOS DE SOLIDARIEDADE

Janeiro 8, 2011 1 comentário

O Natal acontece: O Verbo fez-se homem e veio morar no meio de nós, Jesus veio para servir e dar a vida. É o que eu hoje vejo nestes novos missionários das nossas paróquias: a Vera, o Samuel e a Celina. Jogar a vida no serviço de um ideal, jogar a vida na missão, servindo um povo carenciado e sofrido…é gratificante, é seguir o caminho de Jesus. E faz-me lembrar o famoso poeta Tagore que dizia: “Adormeci e sonhei que a vida era só alegria. Despertei e vi que a vida se resumia em servir. Servi e vi que servir é alegria.”. Ser discípulo de Jesus é carregar a cruz com alegria e segui-l’O. “Faz-te ao largo e lança as redes!”Quem perde a vida por amor, achá-la-á”. O melhor caminho para ser feliz é servir os outros: “O que fizeste ao mais pequenino foi a Mim que o fizeste”. Como é bom servir com alegria, afirmo-o pela minha experiência!

Rezamos: Venha a nós o Vosso Reino, seja feita a Vossa vontade!… O Reino é obra do Espírito Santo e nossa. A solidariedade e a fraternidade vão sendo construídas por pessoas e comunidades que escolhem viver segundo as bem-aventuranças, amando como Jesus amou…Colaborar para o desenvolvimento e a paz com obras de promoção humana, de formação e educação dos jovens, levando-os a “ser mais” é isto que o Samuel vai fazer para o Orfanato de Chókwè (Moçambique) e o que já está a fazer a Vera no bairro do Papelão em Uíje (Angola) e é o que irá fazer a Celina em Timor. Com eles Deus suscita nas nossas comunidades a cooperação, a solidariedade e a fraternidade irmanados na mesma comunhão.

Só o Espírito Santo podia ter feito surgir o “Projecto Visão Guiné”. Conta-nos o Dr Luís Gonçalves: “Um dia perguntam se queremos participar dum projecto. Levar a cabo uma acção ligada à saúde. Numa região onde a fome e a má nutrição atinge grande parte das pessoas, são muitos os problemas de saúde. Entre eles, problemas ligados à visão pois as deficiências alimentares provocam estados de cegueira muito mais precocemente do que no nosso meio. Impossível ficar indiferente! Iremos lá! Queremos retirar da cegueira algumas pessoas. Será com certeza pouco naquela imensidão de carências. Mas ficaremos com certeza mais felizes e daremos àquelas pessoas o sinal.”. Assim começou uma onda de contágio que entusiasma 31 participantes. É o Projecto de Solidariedade com a Guiné mais ousado, inimaginável, que a Fundação João XXIII/Casa do Oeste leva à Guiné. Todos eles vão suportar todas as despesas de viagens e alimentação. Partem em missão, para sítios onde reina a pobreza extrema, deixando para trás as comodidades que têm nas suas casas, água canalizada, banho de água quente, roupa lavada, etc…entregam-se com generosidade para o que der e vier na ousadia da aventura apoiados na confiança garantida pelos responsáveis da Fundação, e levam muita esperança de pôr muita gente a ver. São uma grande equipa de médicos e enfermeiros com alguns cooperantes chefiados pelo Dr. Luís Gonçalves.

Angola, Moçambique, Timor e Guiné: eis alguns caminhos da solidariedade que o Espírito de Jesus nos abriu.

P. Batalha

O Jordão torna-nos filhos no Filho e irmãos em Jesus Irmão

Janeiro 7, 2011 1 comentário

Marcador da Palavra para a Semana I do Tempo Comum- Ano A

No Jordão espera-nos o último DOM deste NATAL

A liturgia deste domingo tem como cenário de fundo o projecto salvador de Deus. No baptismo de Jesus nas margens do Jordão, revela-se o Filho amado de Deus, que veio ao mundo enviado pelo Pai, com a missão de salvar e libertar os homens. Cumprindo o projecto do Pai, Ele fez-Se um de nós, partilhou a nossa fragilidade e humanidade, libertou-nos do egoísmo e do pecado e empenhou-Se em promover-nos, para que pudéssemos chegar à vida em plenitude.
A primeira leitura anuncia um misterioso “Servo”, escolhido por Deus e enviado aos homens para instaurar um mundo de justiça e de paz sem fim… Investido do Espírito de Deus, Ele concretizará essa missão com humildade e simplicidade, sem recorrer ao poder, à imposição, à prepotência, pois esses esquemas não são os de Deus.
No Evangelho, aparece-nos a concretização da promessa profética: Jesus é o Filho/“Servo” enviado pelo Pai, sobre quem repousa o Espírito e cuja missão é realizar a libertação dos homens. Obedecendo ao Pai, Ele tornou-Se pessoa, identificou-Se com as fragilidades dos homens, caminhou ao lado deles, a fim de os promover e de os levar à reconciliação com Deus, à vida em plenitude.
A segunda leitura reafirma que Jesus é o Filho amado que o Pai enviou ao mundo para concretizar um projecto de salvação; por isso, Ele “passou pelo mundo fazendo o bem” e libertando todos os que eram oprimidos. É este o testemunho que os discípulos devem dar, para que a salvação que Deus oferece chegue a todos os povos da terra.

ESPANOL

ENGLISH