Início > Editorial > FÉRIAS EM GRUPO

FÉRIAS EM GRUPO

Este período de Verão é um tempo importante para os jovens de uma forma mais lúdica desenvolverem a sua cultura social, de amizade pelo convívio em grupos, em idas à praia e à piscina, em passeios ou visitas comunitárias, em Acampamentos, em Campos de Férias, em Encontros de fim-de-semana, em Semanas de formação, umas mais reflexivas, outras mais lúdicas, etc… tudo isso com objectivos de dignificação e realização mais integral de cidadãos cristãos. Tudo isto pode fazer parte da pastoral juvenil.

Porém, para ser esta pastoral, tem de se partilhar a vida de Grupo, de equipa, partilhando uns com os outros as suas vidas, problemas e situações que estão a ser vividos por si ou por outros que os rodeiam. Pretende-se com isto ajudar os mais novos a encontrar respostas para as suas necessidades de crescimento, a partir das situações que vivem e eles mesmos se ajudem uns aos outros como testemunhas.

É necessário descobrir que a nossa dignificação se faz comunitariamente, em grupos de diversas idades e em variados interesses, de modo a concorrer para a sua maturidade de pessoas, para a sua formação, como cidadãos cristãos. Isto implica uma pedagogia activa, avançando juntos com alegria as exigências da Fé, prontos a servir os outros, desenvolvendo a sua vocação e as suas qualidades, na tríplice dimensão: nós mesmos, os outros e Deus. Simpatias e amizades têm um grande papel na formação dos grupos de jovens.

A organização destas actividades contribui para o desenvolvimento da responsabilidade, da iniciativa, criatividade, acção, vida em equipa e acção em equipa; contribui para formar o homem e a mulher: honestos, justos, sensíveis, verdadeiros, capazes de se comprometerem em tarefas essenciais de hoje. O jogo é nestas actividades, normalmente um elemento educativo importante. As pessoas aproximam-se e ganham confiança, credibilidade, respeito. Melhora a comunicação e adquire maior valor aquilo que se quer comunicar. Todas as dinâmicas e movimentos, todas as actividades e pedagogias se devem mover pela construção da “Civilização do Amor”.

Aqueles que se preocupam seriamente com o amor, como única resposta ao problema do homem, devem chegar à conclusão de que é preciso fazer alguma coisa para que o amor se torne possível a todos e não apenas a alguns.

Amar é a vocação do homem. Todas as pessoas são chamadas à felicidade com os outros, pois todos são iguais.

  • Amar é participar no desenvolvimento da humanidade.
  • Amar é possuir e dar.
  • Amar é ser exigente e ser generoso.
  • Amar é partilhar.
  • Amar é servir e sentir-se feliz no serviço.

As actividades de verão visam este objectivo, na valorização dos nossos jovens.

P. Batalha

Anúncios
  1. Ainda sem comentários.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s