Archive

Archive for Junho, 2010

O VERÃO COM JESUS CRISTO

Junho 26, 2010 Deixe um comentário

Para muitos jovens e adultos, o Verão é um tempo de “experiências espirituais intensas”, em Encontros, Retiros, Campos de Férias Formativas, Acampamentos, Cursos intensivos,  Peregrinações… Um tempo de Encontros com Jesus Cristo Vivo… Como prevês viver este Verão, para que te ajude a vivificar a tua caminhada ?  Caminhar não é só vencer as distâncias, é desinstalar-se, aguentar a sede e tapar os ouvidos a cantos de sereias.

“Jesus Cristo, único Salvador do mundo, ontem, hoje e sempre”(Heb. 3,8…

O Movimento do Coração de Jesus pretende recolocar a pessoa de Jesus no centro da vida cristã. Podemos orar assim: Senhor Jesus infundi em nós uma inteligência que Vos conheça; inspirai em nós uma vontade que Vos ame; purificai os nossos corações para que Vos acolham; abri as nossas mãos para Vos servir nos irmãos; guiai os nossos pés para que Vos procure; soltai a nossa língua para Vos louvar.

A atenção ao Coração de Jesus constitui a espiritualidade do cristão comprometido com o mundo. É a espiritualidade do caminho. É a espiritualidade da encarnação. Mas só existe um Mestre e Senhor. Jesus advertiu-nos de que surge-nos muitos falsos profetas que enganarão a muitos, dizendo: o Messias está aqui ou ali. Não acrediteis. O Messias não virá como conquistador e triunfador, mas como uma criança indefesa. Não virá cercado por exércitos ou rodeado de políticos, mas no meio dos pecadores. Não trará nenhum livro com novas ideologias, mas apresentará de novo o Evangelho. Não fará promessas de riqueza e de poder, mas virá propor de novo as promessas antigas: Aliança com Deus, libertação pelo amor, salvação pela cruz, felicidade e justiça na fraternidade.

Em tempo de crise há sempre muita confusão. Por isso, há muita gente a agarrar-se ao messias-capitlismo, como se fosse a única tábua de salvação; mas o capitalismo não é o Messias. Outros piscam o olho ao messias-comunismo, a pensar que só ele pode estabelecer a justiça e a igualdade entre os homens; mas o socialismo não é o Messias. Outros sonham de olhos abertos com a social-democracia, pensando que está nela a solução de todos os problemas. Pode ser um pequeno passo; porém, essa abertura não é o Messias.

Outros vivem a sonhar com a revolução pela violência, adorando a tecnologia, exaltando o poder, endeusando o dinheiro… Nada disso é o Messias. Também nós perguntaremos: “A quem iremos nós, Senhor?!”. Muitos projectos são condenáveis, outros contêm uma parte da Verdade.

Procurai a Verdade em qualquer lugar onde ela estiver, e rejeitai o erro. O que não podemos fazer é dar valor absoluto a esses projectos. Só Deus é absoluto. Face a propostas da sociedade materialista – propostas de produtivismo e consumismo, de poder e violência, de competição e corrupção – o cristão precisa de manter as distâncias, zelando pela defesa dos seus valores e das suas esperanças, empenhado em transformar esta sociedade, estando onde se trabalha em favor da vida, onde se sofre para implantar a justiça e a paz, a igualdade e os direitos humanos. Porém, sem nunca deixar de procurar a Deus. O homem se quer ser livre, não pode procurar para a sua vida outro fundamento senão Aquele que o Pai dos deu:  Cristo Jesus que é o Messias da Promessa. A procura de conhecer a Deus não pode ser considerada uma tarefa secundária. Deve ser o primeiro dos compromissos, porque é este o primeiro anseio de todo o homem que vem a este mundo. Sem isto, o homem estaria condenado a viver sem esperança. Também nós procuramos: “Senhor onde moras?”. Felizes sois vós que andais nesta Fé. Porque não foi nem a carne nem o sangue que vos revelaram isto, mas o meu Pai. Eu vim para que todos tenham vida.  Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida – diz-nos Jesus . Conhecer Jesus Cristo é a coisa mais importante da nossa vida. “Vós que fostes baptizados em Cristo, revesti-vos de Cristo”. Seguir Cristo é ir com Ele, pelo caminho da liberdade e verdade de Deus.

P. Batalha

MARCADOR PARA A 13ª SEMANA DO TC

Junho 26, 2010 Deixe um comentário

.

>> Marcador_Palavra_Sem13TC <<

Quando começares a tua oração quotidiana, invoca a presença do Senhor; não permitas que o ambiente ou as pessoas te dispersem. Com a convicção de que fores capaz, diz ao Senhor: «Eu creio na Tua presença, meu Deus, creio que estás comigo, agora e sempre; creio que me conheces melhor do que eu; creio que me amas e queres o melhor para mim, Creio em Ti, Senhor, mas aumenta a minha fé».

2ª feira, 28/Junho – Mateus 8, 18-22

Imagina Jesus que te olha nos olhos. Ele acolhe-te mas não te engana com facilidades; pelo contrário, pede-te que te tornes livre.

3ª feira, 29/Junho – Mateus 16, 13-19

Pedro e Paulo, as 2 colunas da Igreja, o ensino e a missão, a organização e o carisma. Qual é o teu lugar na Igreja? O teu lugar vem do lugar que Cristo tem no teu coração. Há muitas opiniões sobre Jesus. Mas, e tu? Tu que dizes dele? Quem é Ele para ti?

4ª feira, 30/Junho – Mateus 8, 28-34

Ao contrário do que seria de esperar, as pessoas daquela terra não ficaram contentes com o milagre de Jesus e pediram-lhe para se ir embora. Pensemos nas nossas contradições: como, por vezes, fugimos do que nos faz bem… Porquê?

5ª feira, 1/Julho – Mateus 9, 1-8

Ao leres este Evangelho, repara como tantas vezes só pedimos a Deus o que nos convém, esquecendo o mais necessário: a paz, a justiça e a sabedoria.

6ª feira, 2/Julho – Mateus 9, 9-13

Ao leres este Evangelho, pensa em Jesus querendo ir a tua casa, convidando-te para grandes coisas, não porque mereces, mas porque te quer transformar.

Sábado, 3/Julho – Salmo 117 (116)

Pára uns momentos a considerar tudo o já fizeste hoje. Pergunta-te sobre o que te moveu. Talvez o amor? Talvez o egoísmo? Provavelmente os dois. Amor e egoísmo, numa mistura nem sempre fácil de distinguir. Começa sempre a tua oração com o desejo de te conheceres melhor, de perceberes mais profundamente o te move. Talvez Jesus te venha a surpreender com algum pedido inesperado. Lembra-te que só há duas respostas: o amor ou o egoísmo; o resto, somos nós a adiar a resposta, a fugir ao compromisso.

SEGUE-ME! OLHA O REINO QUE TENS ADIANTE!

Junho 26, 2010 Deixe um comentário

Siquém, a caminho de Samaria

A liturgia deste domingo sugere que Deus conta connosco para intervir no mundo, para transformar e salvar o mundo; e convida-nos a responder a esse chamamento com disponibilidade e com radicalidade, no dom total de nós mesmos às exigências do “Reino”.

A primeira leitura apresenta-nos um Deus que, para actuar no mundo e na história, pede a ajuda dos homens; Eliseu (discípulo de Elias) é o homem que escuta o chamamento de Deus, corta radicalmente com o passado e parte generosamente ao encontro dos projectos que Deus tem para ele.

O Evangelho apresenta o “caminho do discípulo” como um caminho de exigência, de radicalidade, de entrega total e irrevogável ao “Reino”. Sugere, também, que esse “caminho” deve ser percorrido no amor e na entrega, mas sem fanatismos nem fundamentalismos, no respeito absoluto pelas opções dos outros.

A segunda leitura diz ao “discípulo” que o caminho do amor, da entrega, do dom da vida, é um caminho de libertação. Responder ao chamamento de Cristo, identificar-se com Ele e aceitar dar-se por amor, é nascer para a vida nova da liberdade.

PORTUGUÊS

ESPAÑOL

ENGLISH

PARTIU UM SANTO – P. BASTOS

Junho 26, 2010 Deixe um comentário

O Padre Bastos era um homem de Deus para os homens. Pessoa afável, aberta, com um coração grande e disponível para o diálogo. Um grande Pastor. Chegou a sua hora de partir para o Pai. Cristo chorou pelo seu amigo Lázaro e eu também chorei, porque nos liga uma profunda amizade. Tinha por ele grande estima e admirava-o muito. Um homem extraordinário e um pastor incansável. Peniche despediu-se de seu “Pai”.

Considero uma providência ele ter partido no dia da Festa do Imaculado Coração de Maria e o seu funeral ser no dia de Santo António e ao Domingo, Dia do Senhor. Linda coincidência. Providência ! Recompensa ! Sinais de Deus. Deus é grande e faz maravilhas.

Quem foi este padre santo, para quem não sabe?: nasceu em Aveiro (1922), formou-se nos Seminários do Patriarcado de Lisboa, onde foi ordenado (1947) e logo enviado para Peniche, até agora. Desenvolveu um trabalho de desenvolvimento em prol de Peniche, “uma obra de apoio social à comunidade, consolidando um património que engloba três igrejas paroquiais, duas capelas, um santuário, um lar social, dois jardins de infância, duas creches, uma oficina de rendas artesanais, um clube recreativo e desportivo, um pavilhão polivalente, um espaço ocupacional e uma jornal quinzenal”. Mais, deixou muita gente formada, preparada para garantir a continuidade de tão grande obra missionária. Um grande evangelizador.

Foi capelão da cadeia do Forte de Peniche. Criou a capelania do Porto de Pescas, como “lugar de silêncio, de oração e de encontro com Deus, a fim de ir ao encontro das exigências da assistência religiosa de que têm necessidade os marítimos do comércio e da pesca, as suas famílias, o pessoal dos portos e todos os que empreendem uma viagem por mar”. Foi professor de Religião e Moral. Foi 62 anos Prior de Peniche e em diversas ocasiões foi pároco de Vau, Amoreira de Óbidos, Olho Marinho e Serra d’El Rei; Vigário da Vara de Peniche/Lourinhã; membro da Comissão Nacional Justiça e Paz; membro do Conselho Presbiteral. Foi grande impulsionador do Apostolado do Mar; para isso fundou o Clube “Stella Maris”, para desenvolver actividades recreativas e desportivas de ocupação da população de Peniche. A obra social que o P. Manuel Bastos legou a Peniche, na atenção aos mais desprotegidos, infelizes e idosos, começou pela “Sopa dos Pobres” (nas décadas de 40 e 50) e tem como maior expoente a obra do Lar de Santa Maria com tudo o que o envolve, bem como o desenvolvimento do desporto e da cultura.

Prestou sempre atenção aos que foram para fora da terra, os emigrantes e é um destes seus filhos, o P. Rui Pedro, que da emigração o saúda: “Homem do mar sempre fiel à classe trabalhadora e suas lutas, profeta invulgar de uma Igreja totalmente mergulhada na vida do povo, discípulo terno de um Deus que ama os pobres e, com eles, apressava a vinda do Reino, capelão de homens e mulheres honestos de todos os regimes políticos e partidos, militante que sonhava o desporto como escola de educação para valores e saúde, amigo fiel que a ninguém deixava sem postal de aniversário ou agradecimento, padrinho de afilhados sem eira nem beira e sem conta (entre os quais me incluo também eu !), educador criativo sobre a força da tradição para identidade de uma comunidade, apóstolo da reconciliação entre partes desavindas, cooperador universal com todas as pessoas, grupos e crenças que tivessem como prioridade a dignidade humana e a caridade na verdade, grande defensor da liberdade de ensino e dos direitos dos migrantes de todas as latitudes. Grande divulgador da vida e exemplo de outros penichenses ilustres e homens fiéis ao Evangelho, como o Servo de Deus, D. António Ferreira Viçoso, que desejava ver beatificado pela Igreja. Um sacerdote exemplar. Boa viagem, mestre de vida liberta, amigo dos emigrantes e meu mestre da arte sacerdotal! Ser padre requer arte, jeito e utopia. É esta herança que, ao findar o Ano sacerdotal, deixas aos cinco padres que silenciosamente geraste na Fé, fruto do teu sacerdócio missionário e feliz”.

Muito dele se pode bendizer. O Padre que marcou profundamente Peniche e a Diocese de Lisboa, nos últimos 60 anos.

P. Batalha

MARCADOR DA PALAVRA – 12ª Semana do Tempo Comum

Junho 19, 2010 Deixe um comentário

.

>> Marcador da Palavra para a 12ª Semana do tempo Comum<<

.

Experimenta começar a tua oração quotidiana em atitude de louvor, porque Deus é Santo, é o Senhor do Universo. Confia-te a este Deus que preenche todos os recantos da tua existência. Entrega-te ao seu Amor infinito, ao seu Amor de todas as horas, e diz-lhe: “Senhor, aqui estou, acolhe a minha oração”.

2ª feira, 21/Junho – Mateus 7, 1-5

Se quero ser justo e ver bem, tenho de purificar o olhar, tirar os preconceitos do coração, sem óculos escuros de medo, de inveja ou de irritação. Sempre que vês um defeito no outro, consegues ver também uma qualidade?

3ª feira, 22/Junho – Mateus 7, 6-14

Jesus apresenta um caminho, uma porta estreita, exigente. Mas haverá outro? É tão claro que o mundo anda doente, quando cai no facilitismo e na falta de qualidade…

4ª feira, 23/Junho – Mateus 7, 15-20

Há muitas aparências em todos os campos: no pessoal, no político, até no religioso. Muita coisa parece boa, e não é; parece má, e não é tanto assim. Tornar-se capaz de desmascarar os enganos, é uma arte e uma sabedoria. Ver os efeitos é um grande critério a interiorizar e perguntar: onde é que isto me leva? Esta situação ou decisão que consequências vai ter?

5ª feira, 24/Junho – Lucas 1, 57-80

Os vizinhos de Isabel e Zacarias discutem por causa do nome do menino. Que importância tem o nome? Em Israel, naquele tempo, o nome devia indicar a vontade de Deus para a pessoa. “João” quer dizer “dom”. E eu? Quem posso vir a ser, caso seja fiel ao nome de cristão, à missão que Deus me deu?

6ª feira, 25/Junho – Mateus 8, 1-4

Por vezes queremos mais a cura física que a espiritual. Salvar é curar do pecado e do egoísmo. Peço a Deus que me resolva os problemas ou que me dê a graça de amar e ir ao encontro dos irmãos?

Sábado, 26/Junho – Salmo 27 (26)

Ao leres as palavras deste salmo, procura que elas se tornem palavras tuas. Procura que a confiança do salmista seja também a tua confiança. Procura que a atitude do salmista seja também a tua atitude. E se não consegues porque o medo do presente e do futuro te aperta o coração, entrega esse medo nas mãos de Deus e olha de frente para a vida.

QUEM É JESUS?

Junho 19, 2010 Deixe um comentário

A liturgia deste domingo coloca no centro da nossa reflexão a figura de Jesus: quem é Ele e qual o impacto que a sua proposta de vida tem em nós? A Palavra de Deus que nos é proposta impele-nos a descobrir em Jesus o “messias” de Deus, que realiza a libertação dos homens através do amor e do dom da vida; e convida cada “cristão” à identificação com Cristo – isto é, a “tomar a cruz”, a fazer da própria vida um dom generoso aos outros.

O Evangelho confronta-nos com a pergunta de Jesus: “e vós, quem dizeis que Eu sou?” Paralelamente, apresenta o caminho messiânico de Jesus, não como um caminho de glória e de triunfos humanos, mas como um caminho de amor e de cruz. “Conhecer Jesus” é aderir a Ele e segui-l’O nesse caminho de entrega, de doação, de amor total.

A primeira leitura apresenta-nos um misterioso profeta “trespassado”, cuja entrega trouxe conversão e purificação para os seus concidadãos. Revela, pois, que o caminho da entrega não é um caminho de fracasso, mas um caminho que gera vida nova para nós e para os outros. João, o autor do Quarto Evangelho, identificará essa misteriosa figura profética com o próprio Cristo.

A segunda leitura reforça a mensagem geral da liturgia deste domingo, insistindo que o cristão deve “revestir-se” de Jesus, renunciar ao egoísmo e ao orgulho e percorrer o caminho do amor e do dom da vida. Esse caminho faz dos crentes uma única família de irmãos, iguais em dignidade e herdeiros da vida em plenitude.

PORTUGUÊS

ESPAÑOL

ENGLISH

A NOVA LEI É A LUZ PARA O NOVO POVO, A IGREJA

Junho 13, 2010 Deixe um comentário

.

>> Marcador para a 11ª Semana do Tempo Comum <<

Ao começares a tua oração diária, olha o lugar onde te encontras e acolhe-o no teu coração. Talvez desejes estar noutro lado, talvez estejas onde desejas estar. Pensa que estás precisamente onde Deus te espera e onde se quer encontrar contigo. Se estás só, agradece a Deus, porque Ele está contigo, aí na tua solidão. Se estás com a tua família, agradece a Deus por todos.

2ª feira, 14/Junho – Mateus 5, 38-42

A lógica de «olho por olho e dente por dente» acaba sempre por levar à escalada da violência que se propunha prevenir e evitar; mas, muitas vezes, parece ser o único modo de lidar com situações que surgem à nossa volta. As palavras de Jesus ajudam-te a enfrentar essas situações com a coragem dos que buscam a paz? Ajudam-te ou atrapalham-te?

3ª feira, 15/Junho – Mateus 5, 43-48

«Amai os vossos inimigos e orai por aueles que vos perseguem». Não será um exagero isto de amar os inimigos e rezar pelos perseguidores? Pensa nos teus inimigos, aos quais já deste um nome. Conheces alguma forma de mudar essa situação, sem ser através do amor e do perdão?

4ª feira, 16/Junho – Mateus 6, 1-6.16-18

Qual é o objectivo que preside às minhas acções? Ser visto e aplaudido pelos outros? Ser visto e amado por Deus? Ou talvez as duas coisas?

5ª feira, 17/Junho – Mateus 6, 7-15

Ao leres este Evangelho, presta atenção à última frase: «Mas se não perdoardes aos homens, também o vosso Pai não vos perdoará as vossas faltas». Faz-te lembrar alguma coisa que precises de fazer, ainda hoje?

6ª feira, 18/Junho – Mateus 6, 19-23

Ao ler este Evangelho, interrogo-me sobre o lugar onde repousa o meu coração para perceber qual é, afinal, a qualidade do meu tesouro

Sábado, 19/Junho – Salmo 62 (61), 2-13

«Só em Deus descansa a minha alma. Ele é a minha salvação». Diante de uma fé assim, sinto-me pequeno, pobre e descrente. Tantas vezes ando inquieto e não procuro Deus para descansar. Tantas vezes me sinto perdido e não procuro em Deus o caminho que me leva à salvação.

GRUPOS DE JOVENS

Junho 13, 2010 Deixe um comentário

Já reparaste nos Grupos de malta nova que há nas nossas Paróquias ? – O Agrupamento dos Escuteiros, o Grupo “Trilhos de Luz”, o Grupo do Movimento Eucarístico Juvenil, os Grupos Corais Juvenis: “sons de Vida” de Ribamar, “Vozes do Vento” da Ventosa, “Os Amigos de Jesus” de S. Bárbara, o novo Grupo da JARC de Ribamar (Juventude de Acção Rural Católica) e está para breve um outro novo Grupo da ACN (Acção Católica dos mais Novos) e outros vão surgir no próximo ano, entre os que se querem preparar para receber  o dom do Sacramento do Crisma.

É que Jesus que é o nosso Amigo com “A” grande, porque é o melhor de todos os amigos – Ele é também o Mestre, de quem somos discípulos, isto é, aprendizes. Por isso, andamos a aprender com Ele a viver a vida.

O que é que Ele nos ensina? – A amar como Ele nos amou. Como é que fez ? – Chamou uns amigos e fez deles o Grupo dos Apóstolos. Conviveu com eles… muito conversou,…e com eles andou de terra em terra curando muita gente dos seus males…com eles rezou e com eles chamou outros e já eram muitos jovens.

Ser discípulo de Jesus é um dom que se recebe e se acolhe e que necessita de uma resposta, de uma vontade, de uma decisão. E Jesus confia-nos a nós, como confiou aos Apóstolos, que cuidemos dos outros. Por isso, Ele quer que O imitemos, organizando os jovens em Grupos, como Ele organizou o Grupo dos Doze. Como podeis reparar é isso que temos vindo a suscitar. Podeis perguntar: PORQUÊ ?

Porque Jesus precisa de vós?  – “Sim preciso de ti, preciso do teu coração, para continuar a amar…preciso de ti para continuar a salvar os homens meus irmãos.”

Cristo quer precisar dos jovens para fazer bem aos outros, para serem apóstolos junto dos outros jovens, para fazer o mundo melhor.; e de mãos dadas, com o amparo, a coragem e a alegria uns dos outros.  Em grupo, a Fé e o Amor de Jesus leva-nos a ser Igreja, a fazer comunhão e comunidade.

Aos mais novos quero dizer-vos: acolhei Jesus nos vossos corações, procurai conhecê-lo sempre mais.  Segui-O e dai testemunho do seu amor junto dos outros. Realizai o compromisso da paz, proposto por S. Francisco de Assis: onde houver discórdia, levai a união… onde houver tristeza, levai a alegria…

Aos jovens mais velhos, – que vos interrogais sobre “Quem sou eu ? de onde vim ? Para onde vou ? Que faço aqui ? Como ? Porquê ?” – quero dizer-vos a cada um de vós, o que Jesus disse a Lázaro: “Vem para fora ! Preciso de ti, do teu entusiasmo, da tua vida. Quero que sejas pescador de homens e lhes digas que vale a pena viver. Que lhes digas ao coração que existe Alguém que os ama incondicionalmente, sem pedir nada em troca, a não ser que sejam verdadeiramente felizes. Preciso que sejas profeta e digas a todos aqueles que se desviaram dos caminhos do Evangelho que continuo de braços abertos, acolhendo cada um sem olhar para o passado. Jovem deixa-Me dizer-te, agora, a ti mesmo: Lázaro, vem para fora!”

P. Batalha

O PERDÃO GERA AMOR E VIDA NOVA

Junho 11, 2010 Deixe um comentário

A liturgia deste domingo apresenta-nos um Deus de bondade e de misericórdia, que detesta o pecado, mas ama o pecador; por isso, Ele multiplica “a fundo perdido” a oferta da salvação. Da descoberta de um Deus assim, brota o amor e a vontade de vivermos uma vida nova, integrados na sua família.

A primeira leitura apresenta-nos, através da história do pecador David, um Deus que não pactua com o pecado; mas que também não abandona esse pecador que reconhece a sua falta e aceita o dom da misericórdia.

Na segunda leitura, Paulo garante-nos que a salvação é um dom gratuito que Deus oferece, não uma conquista humana. Para ter acesso a esse dom, não é fundamental cumprir ritos e viver na observância escrupulosa das leis; mas é preciso aderir a Jesus e identificar-se com o Cristo do amor e da entrega: é isso que conduz à vida plena.

O Evangelho coloca diante dos nossos olhos a figura de uma “mulher da cidade que era pecadora” e que vem chorar aos pés de Jesus. Lucas dá a entender que o amor da mulher resulta de haver experimentado a misericórdia de Deus. O dom gratuito do perdão gera amor e vida nova. Deus sabe isso; é por isso que age assim.

PORTUGUÊS

ESPAÑOL

ENGLISH

MARCADOR PARA A SEMANA X DO TEMPO COMUM

Junho 5, 2010 Deixe um comentário

>> Marcador_Palavra_Sem10TC <<

Considera que, de facto, a esperança encontra sempre uma saída para a tristeza que tantas vezes bate à porta do teu coração, para o sofrimento que tantas vezes tenta fechar-te no desespero, para a dúvida que tantas vezes tenta matar a tua fé. Fomos salvos na esperança e na esperança estamos salvos, unidos a Cristo, guiados pelo seu Espírito, amparados pela mão direita do Pai. Nesta certeza começa a tua oração diária.

2ª feira, 7/Junho – Mateus 5, 1-12

O estilo de vida que Jesus propõe tem consequências na relação com os outros. São felizes os que procuram ser imagem de Deus para os outros, os que estão empenhados na construção da paz e da justiça. Parece-te que este estilo de vida é capaz de te fazer feliz?

3ª feira, 8/Junho – Mateus 5, 13-16

Jesus não usa uma linguagem de facilidades. Ser sal: tornar mais feliz a vida daqueles que vivem comigo. Ser luz: ajudar aqueles que Deus coloca no meu caminho a encontrarem sentido para a vida.

Cabe-me escolher: aceito o desafio de Jesus e as suas consequências, ou fico escondido no meu canto a cuidar das minhas coisas?

4ª feira, 9/Junho – Mateus 5, 17-19

Mais que ser crítico e distanciar-me deste ou daquele aspecto da Palavra de Deus, o importante é comprometer-me, entregando a própria vida. Que me falta para ir mais longe no compromisso com Cristo e com os meus irmãos?

5ª feira, 10/Junho – Lucas 2, 8-14

A Bíblia fala-nos do Anjos como mensageiros de Deus, enviados a dar a conhecer acontecimentos importantes ou para dar cumprimento aos planos de Deus. Já alguma vez pensaste que também tu és, ou podes ser, um anjo? Um enviado de Deus junto daqueles que vivem contigo?

6ª feira, 11/Junho – Lucas 15, 3-7

O Pastor da Parábola vai ao encontro da ovelha perdida. Quando a encontra não castiga, não ajusta contas. Pelo contrário, alegra-se, faz uma festa e convida os amigos. Poderei aprender alguma coisa com este pastor tão pouco convencional?

Sábado, 12/Junho – Salmo 16 (15)

Nós Vos adoramos, Senhor, Jesus Cristo. Hoje continuo a dar resposta ao apelo de ontem: adorar o meu Senhor.