Arquivo

Archive for Março, 2009

PENITÊNCIA, PREPARAÇÃO PASCAL

Março 28, 2009 Deixe um comentário

rembrant_prodigueO Sacramento da Penitência é um sacramento Pascal. Porquê ? Porque alcança-nos a libertação do pecado e da morte eterna. Como nos reunimos na Eucaristia para dar graças, também precisamos de nos reunir como penitentes para pedir perdão pela confissão dos nossos pecados e celebrar a reconciliação. Este sacramento é rico nas suas formas: desde a forma individual que pode incluir a consulta terapêutica e a direcção espiritual, até uma celebração comunitária que tanto pode terminar com confissões individuais, como até com a absolvição geral, se for o caso.

Podeis perguntar: mas eu preciso de me confessar ? – SIM ! Precisamos.

Pergunto: Não precisamos de nos lavar, tomar banho ? Do mesmo modo precisamos de nos purificar para estarmos bem com Deus, com os outros e connosco próprios. É S. João que nos diz: “Se confessarmos os nossos pecados, Deus é fiel e justo para nos perdoar e purificar-nos de toda a maldade“(1ªJo. 1,9); e São Tiago exorta-nos: Confessai os vossos pecados uns aos outros e orai uns pelos outros para serdes curados”(Tg. 5, 16). Todos temos a experiência de que somos pecadores. A santa Igreja é feita de pecadores. Diante de Deus que é Santo só temos de reconhecer-nos pecadores e pedir perdão. Aliás é o que fazemos quando começamos a celebrar a Eucaristia: “…Senhor tende piedade de nós!…”.

Assim como a saúde ou o mal-estar dum membro do nosso corpo afecta os outros membros, assim também na Igreja, quando o pecado nos fere, os outros também ficam afectados. O que fazemos de bem ou de mal tem influência nos outros. Com o nosso pecado há sempre consequências negativas. Nós não somos ilhas e fazemos parte de um todo, somos vasos comunicantes. O nosso pecado envenena o ar que os outros respiram. Um dos maiores males do nosso tempo é a perda de sentido do pecado. Porque o pior doente é aquele que não reconhece o seu estado, não quer ir ao médico, não aceita tratar-se. Não há critérios de valores morais, não se distingue o bem do mal, não se assume com responsabilidade a gravidade dos actos, das más acções. Porém, o homem é chamado sempre a amar e fazer o bem e evitar o mal. Em momento oportuno  a voz desta  lei ressoa no íntimo do seu coração; e nem sempre a voz divina aprova as atitudes que tomamos. Como Adão e Eva, escondemo-nos  ao ouvir os passos do Senhor, que vem ao nosso encontro (Gn. 3,8). O salmista nos adverte no salmo 95,8-9: “Quem dera que hoje ouvísseis a Sua voz: ‘Não endureçais os  corações, como em Meribá, como no dia de Massá, no deserto, onde vossos pais me tentaram e provocaram, apesar de terem visto as minhas obras'”.

É preciso dar ouvidos à Palavra do Senhor, acolhê-lo como Deus e comportar-se como seu povo (Jer. 7, 23). Diz o Senhor: “Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, eu entrarei na sua casa e tomaremos a refeição, eu com ele e ele comigo”(Apoc. 3,20).  É preciso abrir o coração. É preciso renascer. Seja a nossa atitude  de espírito como a do jovem Samuel: “Falai  Senhor, que o vosso servo escuta!”…ou a dos que ouviam João Baptista: “Que havemos de fazer?”. E Jesus já desde o início desta Quaresma nos anda a segredar aos ouvidos: “Arrependei-vos, convertei-vos e acreditai no Evangelho!”

P. Batalha

Jesus veio também por eles!

Março 25, 2009 Deixe um comentário

Na liturgia do 5º Domingo Comum ecoa, com insistência, a preocupação de Deus no sentido de apontar ao homem o caminho da salvação e da vida definitiva. A Palavra de Deus garante-nos que a salvação passa por uma vida vivida na escuta atenta dos projectos de Deus e na doação total aos irmãos.

Na primeira leitura, Jahwéh apresenta a Israel a proposta de uma nova Aliança. Essa Aliança implica que Deus mude o coração do Povo, pois só com um coração transformado o homem será capaz de pensar, de decidir e de agir de acordo com as propostas de Deus.

A segunda leitura apresenta-nos Jesus Cristo, o sumo-sacerdote da nova Aliança, que Se solidariza com os homens e lhes aponta o caminho da salvação. Esse caminho (e que é o mesmo caminho que Jesus seguiu) passa por viver no diálogo com Deus, na descoberta dos seus desafios e propostas, na obediência radical aos seus projectos.

O Evangelho convida-nos a olhar para Jesus, a aprender com Ele, a segui-l’O no caminho do amor radical, do dom da vida, da entrega total a Deus e aos irmãos. O caminho da cruz parece, aos olhos do mundo, um caminho de fracasso e de morte; mas é desse caminho de amor e de doação que brota a vida verdadeira e eterna que Deus nos quer oferecer.

Português

Español

English

————————————————————————————————

Nota: Informação recolhida em Evangelho Quotidiano, Dehonianos, Paulinas, Benedictines de Catalunya, h2onewspt, Living Space, Lugar Sagrado e Hermanoleón Clipart.

————————————————————————————————

PÁRA! ESCUTA!! OLHA!!!

Março 21, 2009 Deixe um comentário

semaforo_thumbFaltam três semanas para a Páscoa. Nesta Caminhada de Luz Pascal com São Paulo, sentemo-nos um pouco.

Pára ! Escuta ! Olha ! Sentemo-nos a reparar no caminho feito até aqui.

Nós entrámos no deserto da nossa vida com S. Paulo. “Subimos para Jerusalém” (Mc. 10,33), à Festa da Páscoa. Este caminho para Jerusalém constitui o modelo da vida do cristão, empenhado em seguir o Mestre, participando intimamente no mistério da sua morte e ressurreição.

Assim, fomos erguendo sinais a avivar a nossa consciência e a nossa prática.

Logo no 1º dia entrou nas nossas igrejas uma barca a recordar-nos a barca/arca de Noé (lede (Gen. 6,11 a 9,1) e a Igreja (a comunidade dos salvos nas águas do Baptismo) e recebemos as cinzas nas nossas mãos fechadas sobre os nossos haveres, sempre prontas a ferir e destruir, com punhos de violência, com sonhos e quimeras, fechados na nossa vanglória e orgulho, na soberba do progresso, da ciência e da prosperidade terrenas… Queremos abrir-nos ao fogo do amor e à luz do perdão que nos vem de Deus para semear a esperança. Para esta caminhada foram postas nas nossas mãos a Oração, a Partilha (esmola) e o jejum para amar, curando-nos dos nossos pecados.

No 1º Domingo, trouxemos para diante da comunidade um recipiente com água a lembrar-nos as águas purificadoras do baptismo e um círio aceso símbolo de Cristo que ilumina a nossa vida com a Palavra da Salvação, presente também na simbologia do Remo que nos faz avançar na barca. E Jesus, nesse Domingo, voltou a propor-nos: “Arrependei-vos e acreditai no Evangelho“. Por isso São Paulo, na sua carta aos jovens, disse que a Palavra de Jesus é como um GPS a orientar a nossa vida.

No 2º Domingo, foi colocada uma espada no círio porque a Palavra de Deus é como uma espada que corta para deitar fora o que não presta, como fogo que purifica, ilumina e aquece o nosso coração e o entusiasma, como aconteceu aos apóstolos com Jesus transfigurado, no monte Tabor, tendo também como estímulo a Fé dos nossos antepassados, Abraão, Moisés e Elias.

No 3º Domingo, foram lembrados os 10 Mandamentos, por tantos desrespeitados, e foi posto no círio um “livro” a lembrar-nos as 13 cartas de S.Paulo abrindo o nosso coração à paz , animando as comunidades com 10 palavras luminosas suas. O Remo da Palavra que nos faz avançar, com o vigor de Jesus que nos purifica dos vendilhões que profanam os nossos corações, lugares a que Deus tem direito assumido no nosso Baptismo.

Neste 4ºDomingo, lembra-nos ao pôr a “Chama” no Círio que Cristo é a Luz que afasta as trevas dos nossos pecados. Por isso, somos convidados a examinar os nossos maus comportamentos porque Deus “é rico em misericórdia…e quer restituir-nos a sua graça”, libertando-nos dos nossos pecados. Então o Amor de Cristo envolve os nossos corações e dá-nos força para continuarmos o caminho.

“Pára ! Escuta ! Olha!”

Vamos fazer uma “revisão de vida“.

Procuremos ir, pelo Sacramento da Penitência,  à Confissão buscar, neste Sacramento de Reconciliação, o perdão e a paz. Assim poderemos celebrar com alegria a Festa da Páscoa.

P. Batalha

————————————————————————————————

4ª Semana da Quaresma>> semana-4-biblia-de-casa-em-casa [doc]

——————————————————-

Informações sobre o 10º Encontro da Escola Paroquial realizado no dia 13/Março/2009 –«S. Paulo e os caminhos para uma comunidade organizada», com o Pe. António Janela

———————————————————————————————-

ANTE O AMOR CAEM TODOS OS MUROS

Março 18, 2009 Deixe um comentário

4domqA liturgia do 4º Domingo da Quaresma garante-nos que Deus nos oferece, de forma totalmente gratuita e incondicional, a vida eterna.

A primeira leitura diz-nos que, quando o homem prescinde de Deus e escolhe
caminhos de egoísmo e de auto-suficiência, está a construir um futuro marcado por horizontes de dor e de morte. No entanto, diz o autor do Livro das Crónicas, Deus dá sempre ao seu Povo outra possibilidade de recomeçar, de refazer o caminho da esperança e da vida nova.

A segunda leitura ensina que Deus ama o homem com um amor total, incondicional, desmedido; é esse amor que levanta o homem da sua condição de finitude e debilidade e que lhe oferece esse mundo novo de vida plena e de felicidade sem fim que está no horizonte final da nossa existência.

No Evangelho, João recorda-nos que Deus nos amou de tal forma que enviou o seu Filho único ao nosso encontro para nos oferecer a vida eterna. Somos convidados a olhar para Jesus, a aprender com Ele a lição do amor total, a percorrer com Ele o caminho da entrega e do dom da vida. É esse o caminho da salvação, da vida plena e definitiva.

Português

Español

English

————————————————————————————————

Nota: Informação recolhida em Evangelho Quotidiano, Dehonianos, Paulinas, Benedictines de Catalunya, h2onewspt, Living Space, Lugar Sagrado e Hermanoleón Clipart.

SE NÃO TIVER CARIDADE

Março 14, 2009 Deixe um comentário

dcaritas091Caridade (esmola, partilha) – Oração – Jejum.

Estas foram três recomendações que a Palavra do Senhor nos fez no 1º dia desta caminhada para a Páscoa; e o Papa Bento XVI veio lembrar que o jejum é em função da caridade. Hoje celebra-se o Dia nacional da Cáritas que, neste Ano Paulino, escolheu como ideia-chave: “Se não tiver Caridade, nada sou”. Aliás para a Igreja ser fiel a Jesus Cristo deve obrigatoriamente fazer três grandes acções: celebrar o amor de Deus às pessoas, anunciar às pessoas que Deus as ama, amar as pessoas com o amor de Deus.

Para promover estas acções foi organizando serviços para as poder concretizar. Desde o início, tempo dos Apóstolos, criou estes serviços: os presbíteros, os servidores das mesas, os missionários, etc… O serviço da Caridade tem tido, ao longo dos tempos, diversas expressões. A “Cáritas” é um Serviço que a Igreja do nosso tempo criou para amar as pessoas, sobretudo as carenciadas, com o amor de Deus. É seu objectivo servir a Caridade. Mas neste serviço há outras instituições a trabalhar que nós conhecemos: :Conferências Vicentinas, Misericórdias, Grupos Paroquiais de Acção Sociocaritativa, Grupos de Ajuda Fraterna, Ordens Religiosas, Centros Paroquiais de Solidariedade Social…

Este tempo da Quaresma é propício para tomarmos consciência mais responsável pela caridade , ajudando-nos a cultivar o estilo do Bom Samaritano que se inclina e que socorre o irmão que sofre, pois ele compadeceu-se e pagou  as despesas da hospedaria; o estilo do pai do filho pródigo que se encheu de compaixão e deu-lhe roupa e o vitelo gordo para fazer a festa; perante a viúva de Naím também se encheu de compaixão e lhe entregou o filho ressuscitado; e quantas vezes Jesus se compadeceu para com os doentes que Ele ia encontrando e restituindo a saúde…falta de segurança, de estabilidade…Quantas carências e necessidades

Quantos problemas, não há aí na sociedade, que precisam da nossa compaixão e da nossa partilha, desde a violência doméstica e abuso sexual até à pobreza, passando pelo insucesso escolar, a perca da auto-estima, a solidão e abandono, a má orientação, a falta de educação,…

Em tempos de crise, seremos capazes de olhar para além de nós ?!

Nesta caminhada à luz Pascal estamos convidados a viver uma vida mais identificada com Cristo Jesus que se compadeceu com todos os que sofrem, unindo-nos nós a eles com a nossa partilha, o nosso empenho solidário com atitudes com a dignificação humana… O distintivo da nossa identidade é o amor mútuo, pois aquilo que fazemos ou deixarmos de fazer aos mais necessitados é a Ele mesmo que fazemos ou não (Mt. 25,31 ss).

Por conseguinte, a atenção e a partilha de bens para com os mais necessitados dignificam-nos.

A Igreja com este Dia Nacional da Cáritas, com a Renúncia Quaresmal sempre destinada a socorrer carenciados ou excluídos e especialmente com as três práticas: esmola.oração.jejum, pretende educar as nossas atitudes para a solidariedade e para crescermos na capacidade de amar.

A Igreja é mãe  e mestra para que as famílias também o sejam. Famílias cuidai desta educação dos vossos filhos. Se não tiver Caridade, nada sou !

P. Batalha

TEMOS CORAGEM DE LEVANTAR O CHICOTE?

Março 11, 2009 Deixe um comentário
Não sabeis que é a casa do Pai?

<Não sabeis que é a casa do Pai?> <¿No sabéis que es la casa del Padre?> <Don't you know that it is the house of the Father?>

A liturgia do 3º Domingo da Quaresma dá-nos conta da eterna preocupação de Deus em conduzir os homens ao encontro da vida nova. Nesse sentido, a Palavra de Deus que nos é proposta apresenta sugestões diversas de conversão e de renovação.

Na primeira leitura, Deus oferece-nos um conjunto de indicações (“mandamentos”) que devem balizar a nossa caminhada pela vida. São indicações que dizem respeito às duas dimensões fundamentais da nossa existência: a nossa relação com Deus e a nossa relação com os irmãos.

Na segunda leitura, o apóstolo Paulo sugere-nos uma conversão à lógica de Deus… É preciso que descubramos que a salvação, a vida plena, a felicidade sem fim não está numa lógica de poder, de autoridade, de riqueza, de importância, mas está na lógica da cruz – isto é, no amor total, no dom da vida até às últimas consequências, no serviço simples e humilde aos irmãos.

No Evangelho, Jesus apresenta-Se como o “Novo Templo” onde Deus Se revela aos homens e lhes oferece o seu amor. Convida-nos a olhar para Jesus e a descobrir nas suas indicações, no seu anúncio, no seu “Evangelho” essa proposta de vida nova que Deus nos quer apresentar.

Português

Español

English

————————————————————————————————

Nota: Informação recolhida em Evangelho Quotidiano, Dehonianos, Paulinas, Benedictines de Catalunya, h2onewspt, Living Space, Lugar Sagrado e Hermanoleón Clipart.

PEREGRINOS COM S. PAULO

Março 7, 2009 Deixe um comentário
Pintura de Pe. João Marcos

Pintura de Pe. João Marcos

Alguns de vós me perguntaram: Que tal o retiro em Fátima?

Já que me perguntais, partilho convosco, o que foram aqueles dias. Fomos, 60 padres da Diocese de Lisboa, peregrinar até Deus com S. Paulo. O orientador do Retiro, padre Manuel Mourujão chamou-nos “Peregrinos do Deus da Paz, acompanhados por Paulo“.

S. Paulo visitou-nos naqueles dias, convidando-nos a ser seus imitadores, enquanto ele é imitador de Cristo: “Sede meus imitadores, como eu o sou de Cristo“(1ªCor. 11,1). “Sede, pois, imitadores de Deus, como filhos bem amados, e procedei com amor, como também Cristo nos amou e se entregou a Deus por nós como oferta e sacrifício de agradável odor”(Ef. 5,1-2). Disse-nos: “Alegrai-vos sempre no Senhor…Que a vossa bondade seja conhecida por todos… Permanecei assim firmes no Senhor. Então o Deus da Paz estará convosco” (Fil.4,1-9).

S. Paulo falou-nos da sua experiência de “ser alcançado por Cristo” (Fl. 3,12), na estrada de Damasco. Como esse inesperado Encontro de Paulo com Cristo deu uma reviravolta à sua vida, ao ser interpelado “Saulo, Saulo porque me persegues?”. Caindo por terra pergunta: “quem és Tu, Senhor?!”. – “Eu sou Jesus a quem tu persegues! Ergue-te! Entra na cidade!…e dir-te-ão o que tens a fazer !”(Act. 9, 1-22).  Contou-nos que depois lhe apareceu em casa, na Rua Direita, Ananias, responsável da Comunidade dos cristãos, que impôs as mãos sobre ele dizendo: “Saulo, meu irmão, foi o Senhor que me enviou, esse Jesus que te apareceu no caminho em que vinhas, para recobrares a vista e ficares cheio do Espírito Santo”. S. Paulo, depois, levantou-se e recebeu o Baptismo. Este encontro com Cristo deu-lhe a conversão que mudou radicalmente o rumo da sua vida. Fez dele um personagem genial, criativo, um apóstolo fervoroso com um amor pessoal e apaixonado a Jesus, expondo a sua vida por Cristo até á morte. Confessou-o várias vezes:”Para mim viver é Cristo“.

Com ele, no Retiro, aprendemos mais a cultivar a oração, amando os que Deus ama, rezando em petição, em acção de graças pelos que fazem parte da nossa vida, do nosso apostolado. Dou graças ao meu Deus por todos vós. “Vós sois o corpo de Cristo e cada um, pela sua parte, é um membro”(1ªCor.12,27). Ensinou-nos a cultivar a oração filial. “Porque sois filhos, Deus enviou aos nossos corações o Espírito do Seu Filho que nos leva a tratar a Deus por ‘Abbá! – Pai!”. Com o Espírito Santo cresço em intimidade filial com Deus (Rom.8,14-24). Propôs-nos: “Sede alegres na esperança, pacientes na tribulação, perseverantes na oração”(Rom.12,12).

Ensinou-nos a viver a nossa vocação sacerdotal, como colaboradores de Deus, com este espírito: “Já não sou eu que vivo, mas é Cristo que vive em mim”(Gál.2,20)…”E ai de mim, se eu não evangelizar!”(1ªCor.9,16-18).

Fez esta advertência: “Eis que chegou o tempo da Salvação…É este o tempo favorável”(“ªCor.6,2), dizendo que Deus nos ama a partir dos nossos pecados, por isso nos chama à conversão. E ensinou-nos, pela sua grande experiência do sofrimento, a dar sentido redentor aos nossos sofrimentos (2ªCor.11,24-33; 12,710; Rom.7,19-25; 8,39). Diz-nos ainda “Alegro-me nos sofrimentos suportados por vossa causa e completo na minha carne o que falta aos sofrimentos de Cristo pelo seu corpo, que é a Igreja”. A Cruz de Cristo é mastro na caravela no mar do sofrimento.

Por fim fomos postos a contemplar Cristo Crucificado, nosso Salvador com os olhos de Maria e com o mesmo olhar mariano redescobrir o mistério salvador da minha própria cruz.

Maria é Mãe e Mestra da nossa Esperança. Aprendamos com Maria na sua escola da esperança.: “Maria conservava todas estas coisas, ponderando-as no seu coração”(Lc. 2,19 e 51).

Dou graças a Deus pelo bom companheiro que foi S. Paulo neste Retiro.

P. Batalha

——————————————————-

2ª Semana da Quaresma>> semana-2-biblia-de-casa-em-casa [doc]

——————————————————-

Informações sobre o 8º Encontro da Escola Paroquial realizado no dia 06/Março/2009 –«Vida cristã e a última vinda do Senhor», com D. Anacleto Oliveira, bispo auxiliar do Patriarcado de Lisboa:

———————————————————————————

Tu, Senhor, antecipas a nova Realidade

Março 4, 2009 Deixe um comentário

transfig00No segundo Domingo da Quaresma, a Palavra de Deus define o caminho que o verdadeiro discípulo deve seguir para chegar à vida nova: é o caminho da escuta atenta de Deus e dos seus projectos, o caminho da obediência total e radical aos planos do Pai.

O Evangelho relata a transfiguração de Jesus. Recorrendo a elementos simbólicos do Antigo Testamento, o autor apresenta-nos uma catequese sobre Jesus, o Filho amado de Deus, que vai concretizar o seu projecto libertador em favor dos homens através do dom da vida. Aos discípulos, desanimados e assustados, Jesus diz: o caminho do dom da vida não conduz ao fracasso, mas à vida plena e definitiva. Segui-o, vós também.

Na primeira leitura apresenta-se a figura de Abraão como paradigma de uma certa atitude diante de Deus. Abraão é o homem de fé, que vive numa constante escuta de Deus, que aceita os apelos de Deus e que lhes responde com a obediência total (mesmo quando os planos de Deus parecem ir contra os seus sonhos e projectos pessoais). Nesta perspectiva, Abraão é o modelo do crente que percebe o projecto de Deus e o segue de todo o coração.

A segunda leitura lembra aos crentes que Deus os ama com um amor imenso e eterno. A melhor prova desse amor é Jesus Cristo, o Filho amado de Deus que morreu para ensinar ao homem o caminho da vida verdadeira. Sendo assim, o cristão nada tem a temer e deve enfrentar a vida com serenidade e esperança.

Português

Español

English


————————————————————————————————

ÉS TU…

A brisa que dá alento a todas as  minhas horas,
a chuva que empapa as minhas células,
a luz que ilumina o meu caminhar,
o fogo que purifica a minha vida inteira.

A nuvem que me acompanha de dia e de noite,
o perfume que penetra por todas as frestas,
o tecto que me abriga de toda a inclemência,

ÉS TU.

Tu, a mão que sustém,
o sorriso que descontrai,
o rosto que serena,
o regaço que acolhe, TU.

Tu colocaste no mais íntimo do meu ser
a ânsia de viver e de gozar,
o desejo de abrir o meu coração,
de contemplar a amplitude do mundo,
de Te conhecer mais e mais,
de estar em silêncio… CONTIGO.

————————————————————————————————

Nota: Informação recolhida em Evangelho Quotidiano, Dehonianos, Paulinas, Benedictines de Catalunya, h2onewspt, Living Space, Lugar Sagrado e Hermanoleón Clipart.