Archive

Archive for Janeiro, 2009

PROFETAS DA ESPERANÇA

Janeiro 31, 2009 Deixe um comentário

011Neste Domingo a Palavra de Deus traz ao meu pensamento uma cadeia enorme de gente, começando pela 1ª leitura, ao apresentar-nos Moisés a dizer ao povo: “O Senhor, teu Deus, fará surgir no meio de ti, de entre os teus irmãos, um profeta como eu; a ele deveis escutar.”. O primeiro sentimento que brota em mim é a minha vocação baptismal: ser profeta, ainda mais responsabilizado por ser padre. O que é ser profeta? É o porta-voz de Deus.

Esta vocação profética despertou na minha memória, ao mesmo tempo, muitas figuras: Moisés e outros profetas bíblicos, como João Baptista e Jesus Cristo, S.Francisco de Assis, S.António de Lisboa, P. António Vieira, Carlos de Foucauldt, João XXIII, Monsenhor Cardygn, P. Américo, P. Abel Varzim, Madre Teresa de Calcutá, João Paulo II, Nelson Mandela, Gandhi, Luther King, … São referências a que sou efectivamente mais sensível na minha espiritualidade e vocação missionária do Evangelho. Mas esquecerei outras ainda, bem como outras tantas e mais, a que outros serão sensíveis, como por exemplo Kiko do Caminho Neocatecumenal, ou Josémaria Escrivá, fundador da Opus Dei; como podemos lembrar o Movimento dos Cursos de Cristandade e o Renovamento Carismático…etc.

No Evangelho de hoje, Jesus é apresentado como porta-voz de Deus e do seu Reino: um ensinamento novo dado com autoridade. Proclama a verdade e denuncia o erro, o mal. Esta é também a nossa vocação baptismal.

Alguns destaques, tendo em conta eventos recentes. O P. António Vieira, no 400º aniversário do seu nascimento (1608): missionário, exímio pregador do Evangelho, defensor dos negros africanos e dos índios do Brasil; criticou e promoveu a abolição da escravatura… Luther King, tal como Gandhi, pregavam a doutrina cristã do amor e da boa vontade; esse defensor inesquecível dos direitos cívicos das pessoas, independentemente da sua condição ou raça… É célebre o seu grandioso discurso “Tenho Um Sonho” concretizado agora em Barak Obama tornado o primeiro presidente negro dos EUA (40 anos depois do seu assassinato, 4.04.1968).

E o que fizeram os Papas João XXIII (com o Concílio Vaticano II) e João Paulo II (pregoeiro do Evangelho e da Paz, percorrendo o mundo) ?

Jesus é o Profeta por excelência que veio dizer e mostrar que nos ama muito e espera que nós participemos activamente deste amor, realizando assim o seu Reino. Jesus demonstra que o Reino que Ele anuncia não é apenas apelo à livre conversão de cada um, mas luta vitoriosa contra o mal que supera o homem.

Como Jesus, a Igreja deve apresentar ao mundo a Palavra de Deus e o anúncio do seu Reino; deve também demonstrar, em sinais e obras, que o poder de Deus supera o mal: no empenho pela justiça e no alívio do sofrimento.

Por isso, ao enfrentarmos a crise actual, não fiquemos apenas a vê-la como económico-financeira, porque como alguém já disse, o défice de responsabilidade civil, criminal e moral é muito maior que o défice financeiro. Por isso é uma crise cultural que só se resolve com novos hábitos e novos estilos de vida.

Aqui, a Igreja tem de ser profeta da esperança. Uma esperança activa e transformadora.

P. Batalha

—————————————————————–

Informações sobre o 4º Encontro da Escola Paroquial:


UM PROJECTO DE LIBERDADE E VIDA PLENA

Janeiro 28, 2009 Deixe um comentário

evangelho_mc01_21_28

A liturgia do 4º Domingo do Tempo Comum garante-nos que Deus não se conforma com os projectos de egoísmo e de morte que desfeiam o mundo e que escravizam os homens e afirma que Ele encontra formas de vir ao encontro dos seus filhos para lhes propor um projecto de liberdade e de vida plena.

A primeira leitura propõe-nos – a partir da figura de Moisés – uma reflexão sobre a experiência profética. O profeta é alguém que Deus escolhe, que Deus chama e que Deus envia para ser a sua “palavra” viva no meio dos homens. Através dos profetas, Deus vem ao encontro dos homens e apresenta-lhes, de forma bem perceptível, as suas propostas.

O Evangelho mostra como Jesus, o Filho de Deus, cumprindo o projecto libertador do Pai, pela sua Palavra e pela sua acção, renova e transforma em homens livres todos aqueles que vivem prisioneiros do egoísmo, do pecado e da morte.

A segunda leitura convida os crentes a repensarem as suas prioridades e a não deixarem que as realidades transitórias sejam impeditivas de um verdadeiro compromisso com o serviço de Deus e dos irmãos.

Português

Castellano

English

Leituras [ppt]

Comentários às Leituras [pdf]

Evangelho [ppt]

Reflexão sobre o Evangelho [ppt]

Lecturas [ppt]

Evangelio [ppt]

Reflexión sobre el Evangelio [ppt]

Leer el comentario del Evangelio por San Jerónimo – «Este enseñar con autoridad es nuevo»

Commentary of the day by Saint Jerome – “What is this? A new teaching

Nota: Informação recolhida em Evangelho Quotidiano, Dehonianos, Paulinas, Benedictines de Catalunya e Hermanoleón Clipart.

OS DEMÓNIOS (Mc 1, 21-28)

Janeiro 28, 2009 Deixe um comentário
demoniosDizem os evangelhos
que os demónios Te rejeitavam violentamente
e não queriam nem ver-Te aparecer.
.
«Que tens Tu a ver connosco, Jesus de Nazaré?».
.
Era a expressão da tua frontal oposição ao mal.
Mas depois de Ti  ensinam-nos a ver os maus espíritos de cima,
sem descer a esta terra de barro,
que é onde se amassam as obras diabólicas do mal.
.
Será que não vemos o verdadeiro demónio
nos sistemas e poderes da injustiça organizada?
E como não o vemos, não nos dói
nem nos indigna nem nos mobiliza.
.
E ficamos sentados,
aguardando falsamente o milagre,
entre o rom-rom das rezas
e a sonolência da espera.
.
Ah, Jesus, que mal entendemos o teu evangelho!
Escapamo-nos para as nuvens,
quando havia que descer conTigo à arena.
Fugimos da realidade para os demónios etéreos,
quando havia que baixar conTigo à terra.
.
Deturpamos a tua imagem e o teu ensinamento,
e fazemos o ridículo com tontos exorcismos
que provocam a meia-volta
dos que queriam lutar contra os verdadeiros demónios.
.
Abre-nos os olhos, Senhor,
abre-me os olhos,
e ensina-me a lutar contra o demónio real:
o pecado, a injustiça, a ruína dos pobres e a destruição da tua obra.
.
Patxi Loidi

CONVERSÃO DE SÃO PAULO

Janeiro 24, 2009 Deixe um comentário

lug21esA Igreja celebra hoje a Festa da Conversão de São Paulo, dia em que há 50 anos João XXIII, anunciava na Basílica de S. Paulo Extramuros, em Roma, a convocação de um Concílio Ecuménico para arrancar com a Conversão da Igreja para uma nova evangelização.

A actualidade da vocação de S. Paulo, chamado “apóstolo dos pagãos“, é muito grande, especialmente neste tempo em que é urgente a nova evangelização dos nossos ambientes secularizados, alguns até a reivindicar o ateísmo com anúncios publicitários em autocarros “Provavelmente Deus não existe. Deixa de te preocupar e goza a vida”. Estas provocações são de todos os tempos. Já na Bíblia referem os Salmos 14 e 53 “O insensato diz no seu coração: Não há Deus. Corruptas e abonáveis são as suas obras”. Hoje os ateus estão-se a mexer muito. São provocações. Os cristãos não devem usar as mesmas armas. O tempo se encarregará… Os cristãos têm é de aprender a viver, a estar de pé, a testemunhar convicções, num mundo que, agora, não é uniforme no pensar, nem no agir. A Fé leva o crente a aceitar o desafio de mostrar pela sua vida que Deus está vivo e que o contágio da Fé se dá pelas boas obras e não por argumentos racionais. Como escreveu o Bispo D. António Marcelino: “A campanha contra Deus vem mostrar a necessidade de saber dizer Deus com a vida e vem sublinhar a necessidade de formação”. Eis porque criámos a Escola Paroquial. (PARA LER MAIS)>>

A Sessão de 6ª feira passada teve, como cartilha, a primeira Carta de S. Paulo aos Coríntios. A partir dela frei Herculano sublinhou a centralidade de Jesus Cristo na nossa Fé. São Paulo fala da Igreja como “Corpo de Cristo”, comunidade estruturada e organizada a partir da Cabeça que é Cristo. Os diferentes ministérios (Apóstolos, Profetas, Mestres, etc…), os diversos serviços e dons , à semelhança dos diversos membros do corpo, não são para uso próprio, mas para o bem comum de todo o corpo eclesial (a Igreja): Cristo também não viveu para si, mas para os outros.(Rom. 12, 3-8). Por isso, as pessoas não se definem pela sua autonomia, mas pela participação e pela comunhão.

Esta Carta trata dos problemas casuais e das questões da vida comunitária. Assim: as divisões internas da comunidade (capítulos 1-4; as desordens sexuais (cap. 5-6); o matrimónio e a virgindade (cap. 7); o culto pagão e o culto cristão (cap.8-11; trata dos problemas levantados pelos cristãos que participam em banquetes de amigos nos templos pagãos; propõe o seu exemplo de apóstolo e dá indicações para o modo de se comportarem nas assembleias litúrgicas); o uso dos carismas (cap. 12-14);  a Ressurreição dos mortos (cap. 15);  colecta e saudações(cap. 16). A carta contém uma antiga narração da Ceia do Senhor (cap. 11, 23-26), a demonstração da primeira tradição cristã sobre as aparições do Ressuscitado (cap. 15, 3-7) e o célebre “Hino” ao amor cristão (cap. 13).

Este aguerrido perseguidor dos discípulos de Jesus, vencido pela Graça, entrega-se incondicionalmente a Cristo que o escolhe para seu Apóstolo e o encarrega de anunciar o Evangelho, em pé de igualdade com os Doze. E pode confessar de verdade: “Para mim viver é Cristo”. Sigamos pelas pegadas de Paulo.

P. Batalha

FESTA DA CONVERSÃO DE S. PAULO

Janeiro 21, 2009 Deixe um comentário
Conversão de Saulo - Michelangelo di Lodovico Buonarroti Simoni

Conversão de Saulo - Michelangelo di Lodovico Buonarroti Simoni

Neste Ano Paulino, ao celebrarmos o bimilenário do nascimento de Paulo de Tarso, somos convidados a redescobrir o apóstolo das gentes. A Festa da Conversão de São Paulo pode ser um momento privilegiado para nos encontrarmos com a sua pessoa, o seu testemunho, a sua teologia e para nos deixarmos guiar por ele nos caminhos do encontro com Cristo e do anúncio do Evangelho.

Na primeira leitura, o próprio Paulo descreve aos judeus reunidos junto da Torre Antónia, em Jerusalém, a sua experiência de encontro com Cristo, vivo e ressuscitado, na estrada para Damasco. Foi esse encontro que o levou a reequacionar a sua existência e a escolher Cristo, sem condições.

Na segunda leitura, Paulo convida os cristãos de Corinto a não absolutizar as realidades terrenas e a apostar tudo nas realidades eternas. O mais importante, para o cristão, deve ser o seguimento de Cristo e a adesão ao Reino. Foi exactamente isso que o próprio Paulo fez.

No Evangelho, é Cristo que, despedindo-se dos seus discípulos, antes de reentrar na glória do Pai, os envia ao mundo inteiro, a proclamar o Evangelho “a toda a criatura”.

Quem descobre Cristo e a sua proposta de salvação, não pode guardar para si esse tesouro, mas tem de testemunhá-lo diante dos outros irmãos e irmãs. Paulo de Tarso percebeu esta exigência e levou-a tão a sério, que foi chamado “o apóstolo das gentes”.

“Eu sou Jesus, a quem persegues. Mas levanta-te, entra na cidade e ser-te-á dito o que deves fazer” Act 9,5-6

Português

Castellano

English

Leituras Dom III TC [ppt]Comentários às Leituras Dom III TC [pdf]

Evangelho Dom III TC [ppt]

Reflexão sobre o Evangelho Dom III TC [ppt]

Comentário ao Evangelho do dia feito por Santa Teresa Benedita da Cruz [Edith Stein] – «Deixando logo as redes, seguiram-No» [pdf]

Lecturas Dom III TO [ppt]Evangelio Dom III TO [ppt]

Reflexión sobre el Evangelio Dom III TO [ppt]

Leer el comentario del Evangelio por Santa Teresa-Benedicta de la Cruz [Edith Stein] – «Dejando a su padre en la barca…, se marcharon con él» [pdf]

Readings Sun III OT [ppt]Gospel Sun III OT [ppt]

Commentary of the day by Saint Teresa Benedicta of the Cross [Edith Stein] – “So they left their father Zebedee in the boat… and followed him[pdf]

Nota: Informação recolhida em Evangelho Quotidiano, Dehonianos, Benedictines de Catalunya e Hermanoleón Clipart.

GRANDE PEREGRINAÇÃO COM S. PAULO

Janeiro 19, 2009 Deixe um comentário

Statue, RomeNo próximo domingo, dia da Conversão de São Paulo, vamos ser com ele peregrinos de Fátima numa expressão de fé baptismal e de comunhão eclesial.

Nesta semana de preparação da Grande peregrinação a Fátima andemos com a Carta aos Romanos na mão lendo-a aos poucos. Nessa sua carta, S. Paulo quis fazer perceber que o Cristianismo era um rebento novo saído do velho tronco do Judaísmo. A partir da sua conversão arregaçou as mangas e empenhou-se totalmente na defesa da nova direcção trazida por Jesus Cristo, ao ponto de ele confessar “Para mim viver, é Cristo!”. S. Agostinho leu a Carta aos Romanos e causou nele tão grande impressão que mudou de vida totalmente. Entregou-se ao serviço do Evangelho; e escreveu muitos livros que ainda hoje causam admiração. S. João Crisóstomo dizia: “Quando leio S. Paulo é como se escutasse uma voz amiga“.

Frei Herculano, na Escola Paroquial, deu-nos a conhecer os ensinamentos desta Carta tão importante para a nossa vida. (Para Saber mais)>>

Cristo libertou-nos do pecado e da morte que entrou no mundo, nos homens (Sab. 2,24 e Gén.). Todos somos pecadores (Rom. 5,12; Salmo 51). Por isso todos necessitamos da graça de Cristo para nos salvarmos (Rom.5,18-20). Cristo triunfou do pecado e da morte por todos os homens; cada um deve fazer seu este triunfo, pelo Baptismo. Pelo Baptismo, o fiel morre para o pecado e vive em Cristo. Cristo dá-nos a Vida  (Rom.6,4 e ss). Frei Herculano explicou-nos o sentido do nosso Baptismo: iluminação (Ef. 5, 14); banho (Ef. 5,24) e renascimento (Tito 3,5). O Baptismo não é só banho é pertença a Cristo com todas as suas consequências. Todos os que são animados pelo Espírito são filhos de Deus (Rom.8,14). Por Deus adoptados (15). Com pleno direito de tratar a Deus por Pai (16).

A nossa testemunha é o Espírito Santo (17), garantindo que somos herdeiros de Deus e herdeiros com Cristo, pois “com Ele sofremos para também, com Ele, sermos glorificados”. Aqui está a chave do mundo novo.

A chave do mundo velho condenado é a idolatria que arrasta à depravação. A chave do novo mundo é o Espírito que restitui o verdadeiro sentido de Deus. Tudo é recolocado no seu devido lugar e volta ao equilíbrio universal.

Este mundo novo já começa a acontecer para aqueles que têm a coragem de sofrer com Cristo e como Cristo. Para S. Paulo, o Espírito envolve tudo e tem um alcance colectivo. Isto percebe-se no seu modo de falar: tratando da situação de pecado, antes ele emprega o “Eu”; falando da nova situação do Espírito, ele emprega “Vós”. Não se pode comparar a glória futura com os sofrimentos desta vida (19).

A Criação inteira está na espera (20), ansiosa como se sofresse as dores do parto (22), assim como nós próprios (21-23), vivemos na esperança do que ainda não vemos (24-25).

O Espírito nos acode (26), nos ensina a pedir de acordo com o que Deus quer (27). A Esperança é o motor da perseverança e força na luta. De acordo com o Seu plano, Deus chama as pessoas (28), predestina-as a reproduzir a imagem do Seu Filho (29). Justifica-as e as glorifica (30).A grande expectativa da Criação é “pela revelação dos filhos de Deus” que só se fará numa sociedade diferente, com novas relações entre as pessoas e entre o homem e a natureza.

O ideal cristão da vida (Rom. 12,1 a 15,13): oferecer-se a Deus, como hóstia viva; renunciar ao mundo do mal; transformar-se pela renovação do Espírito; nas relações dos cristãos entre si, com os de fora. E para concluir, diz-nos S. Paulo: “Acolhei-vos uns aos outros, na medida em que também Cristo vos acolheu, para glória de Deus” (15, 7).

Que o Deus da Paz esteja convosco. Ámen

P. Batalha

2º Encontro da Escola Paroquial – Aspecto geral dos participantes e do orador em Marquiteira (Para Saber mais)>>

SEGUINDO S. MARCOS, DEIXA QUE JESUS ESTEJA PRESENTE E TRANSPARENTE EM TI

Janeiro 14, 2009 Deixe um comentário

02A liturgia do 2º Domingo do Tempo Comum propõe-nos uma reflexão sobre a disponibilidade para acolher os desafios de Deus e para seguir Jesus.

A primeira leitura apresenta-nos a história do chamamento de Samuel. O autor desta reflexão deixa claro que o chamamento é sempre uma iniciativa de Deus, o qual vem ao encontro do homem e chama-o pelo nome. Ao homem é pedido que se coloque numa atitude de total disponibilidade para escutar a voz e os desafios de Deus.

O Evangelho descreve o encontro de Jesus com os seus primeiros discípulos. Quem é “discípulo” de Jesus? Quem pode integrar a comunidade de Jesus? Na perspectiva de João, o discípulo é aquele que é capaz de reconhecer no Cristo que passa o Messias libertador, que está disponível para seguir Jesus no caminho do amor e da entrega, que aceita o convite de Jesus para entrar na sua casa e para viver em comunhão com Ele, que é capaz de testemunhar Jesus e de anunciá-l’O aos outros irmãos.

Na segunda leitura, Paulo convida os cristãos de Corinto a viverem de forma coerente com o chamamento que Deus lhes fez. No crente que vive em comunhão com Cristo deve manifestar-se sempre a vida nova de Deus. Aplicado ao domínio da vivência da sexualidade – um dos campos onde as falhas dos cristãos de Corinto eram mais notórias – isto significa que certas atitudes e hábitos desordenados devem ser totalmente banidos da vida do cristão.

Português

Castellano

English

Leituras [ppt]

Comentários às Leituras [pdf]

Evangelho [ppt]

Reflexão sobre o Evangelho [ppt]

Comentário ao Evangelho do dia feito por  [pdf]

Lecturas [ppt]

Evangelio [ppt]

Reflexión sobre el Evangelio [ppt]

Leer el comentario del Evangelio por San Agustín – «Se quedaron con él aquel día» [pdf]

Readings [ppt]

Gospel [ppt]

Commentary of the day by Saint Augustine – “They stayed with him that day [pdf]

Nota: Informação recolhida em Evangelho Quotidiano, Dehonianos, Benedictines de Catalunya e Hermanoleón Clipart.

JUBILEU – “Para mim viver é Cristo!”

Janeiro 10, 2009 Deixe um comentário
Pintura de Pe. João Marcos

Pintura de Pe. João Marcos

Hoje, nas nossas Paróquias, estamos a celebrar e a viver dois acontecimentos duma mesma realidade. Ser Cristão. Celebramos o Jubileu Baptismal de quem foi baptizado em 1959 e iniciámos a Escola Paroquial, este ano, sobre São Paulo: “Para mim viver é Cristo“. Exactamente, a Escola Paroquial pretende ajudar a formação cristã de quem foi baptizado.

A primeira sessão, na 6ª feira, foi sobre S. Paulo, indicador do que é ser cristão. Tornou-se para nós, não só exemplo, testemunha, mas também mestre, educador da nossa Fé: “Para mim viver é Cristo”. (Para Saber mais)>>

Celebrar o jubileu baptismal é reafirmar a Fé em Jesus Cristo. Púnhamos, então, o nosso olhar n’Aquele que nos chamou e que continua a cativar-nos e que se atravessou no caminho de Paulo para Damasco e lhe disse: Paulo! Paulo, porque me persegues? – Quem és Tu, Senhor?! – Eu sou, Jesus, a quem tu persegues. Ergue-te, entra na cidade e dir-te-ão o que tens a fazer.”.

Este encontro alterou tudo na sua vida, como ele próprio o confessa: “Tudo o que eu considerava como lucro, agora considero-o como perda. Por causa de Cristo. E mais ainda, considero tudo uma perda, diante do bem superior que é o conhecimento do meu Senhor, Jesus Cristo.”. Mostra bem a sua adesão estreita, pessoal, Àquele a quem se entregou.

Ser baptizado é uma adesão pessoal com Cristo Jesus. Muitos cristãos pensam que sabem o que é o cristianismo, mas realmente não o conhecem. Muitos baptizados vivem como se Cristo não existisse. Por isso, hoje, é preciso promover a passagem de uma fé apoiada na tradição social, e que tem o seu valor, a uma Fé pessoal e adulta, esclarecida e convicta. Para isso é a Escola Paroquial. Nós não nascemos cristãos, fazemo-nos cristãos. Um grande desafio hoje é levar os baptizados a converterem-se a Cristo e ao Seu Evangelho. Enquanto cristãos e comunidade cristã precisamos de descobrir a riqueza da Fé e vivê-la. Esta é a minha preocupação pastoral, enquanto pároco e Assistente Diocesano da Acção Católica – razão de ser da minha vida.

Paulo vem ajudar-nos a aprender dele a Fé e a Verdade, em que ele é o nosso mestre. O seu zelo, antes perseguidor dos cristãos tornou-se o mais fervoroso dos cristãos: “Ai de mim se não evangelizar!“. Ele não se poupava, entregava-se à luta e gastava-se por causa do Evangelho: “Quanto a mim, de bom grado darei o que tenho e dar-me-ei a mim mesmo totalmente, em vosso favor”.Dizia isto aos cristãos de Corinto (2ªCor.12,15). O seu combate pela Fé em Jesus Cristo com a palavra da Verdade: a Verdade que vem de Cristo, que por ela entregou a vida, amando até à morte. A espada que a sua figura traz na mão, significa a Palavra de Deus que “…é viva e eficaz e mais penetrante que uma espada de dois gumes…e discerne os sentimentos e intenções do coração” (Heb.4,12). Também Paulo, seguindo Jesus, serviu a Verdade e sofreu por ela.Por isso bem podia dizer “Para mim viver é Cristo”.

Para mim e para ti leitor também é?

P. Batalha

Video com a súmula do 1º Encontro feito pelo orador


JESUS É O FILHO ENVIADO PELO PAI

Janeiro 7, 2009 Deixe um comentário

ev2vp00A liturgia deste domingo tem como cenário de fundo o projecto salvador de Deus. No baptismo de Jesus nas margens do Jordão, revela-se o Filho amado de Deus, que veio ao mundo enviado pelo Pai, com a missão de salvar e libertar os homens. Cumprindo o projecto do Pai, Ele fez-se um de nós, partilhou a nossa fragilidade e humanidade, libertou-nos do egoísmo e do pecado e empenhou-Se em promover-nos, para que pudéssemos chegar à vida em plenitude.

A primeira leitura anuncia um misterioso “Servo”, escolhido por Deus e enviado aos homens para instaurar um mundo de justiça e de paz sem fim… Investido do Espírito de Deus, ele concretizará essa missão com humildade e simplicidade, sem recorrer ao poder, à imposição, à prepotência, pois esses esquemas não são os de Deus.

No Evangelho, aparece-nos a concretização da promessa profética: Jesus é o Filho/”Servo” enviado pelo Pai, sobre quem repousa o Espírito e cuja missão é realizar a libertação dos homens. Obedecendo ao Pai, Ele tornou-Se pessoa, identificou-Se com as fragilidades dos homens, caminhou ao lado deles, a fim de os promover e de os levar à reconciliação com Deus, à vida em plenitude.

A segunda leitura reafirma que Jesus é o Filho amado que o Pai enviou ao mundo para concretizar um projecto de salvação; por isso, Ele “passou pelo mundo fazendo o bem” e libertando todos os que eram oprimidos. É este o testemunho que os discípulos devem dar, para que a salvação que Deus oferece chegue a todos os povos da terra.

Português

Castellano

English

Leituras [ppt]

Comentários às Leituras [pdf]

Evangelho [ppt]

Reflexão sobre o Evangelho [ppt]

Comentário ao Evangelho do dia feito por São Sofrónio de Jerusalém
«Hoje o céu abriu-se, o Espírito desceu sobre Jesus e a voz do Pai domina as águas : «Tu és o meu Filho muito amado»» (versículo do Aleluia) [pdf]

Lecturas [ppt]

Evangelio [ppt]

Reflexión sobre el Evangelio [ppt]

Leer el comentario del Evangelio por  [pdf]

Readings [ppt]

Gospel [ppt]

Commentary of the day by Saint Sophronius of Jerusalem – The heavens opened and the Father’s voice resounded: ‘This is my Son, the Beloved‘” (Alleluia verse) [pdf]

Nota: Informação recolhida em Evangelho Quotidiano, Dehonianos, Benedictines de Catalunya e Hermanoleón Clipart.

1º Concurso de Presépios – Ribamar

Janeiro 7, 2009 1 comentário

grupo-a-caminhada-021A Paróquia de Ribamar fez festa com os presépios. Promoveu um Concurso de Presépios, tendo em conta a época destinada a festejar o aniversário de Jesus. Quisemos presenteá-lo com este Concurso, dizer-lhe à nossa maneira que O festejamos e O temos no nosso coração, criando a cena que lembra o Seu Nascimento, fazendo parte da tradição gerada por S. Francisco de Assis, em Greccio (Itália), em 1223.

Este evento teve a intenção de divulgar os presépios que muitas vezes são autênticas obras de arte, mas que, estando confinadas ao lar de cada um, são pouco vistas e apreciadas, o que é uma pena pelo trabalho que deram e, sobretudo pelo empenho de quem constrói um presépio.

Com a colaboração de várias pessoas foi possível realizar uma festa cultural: desde os autores dos presépios, os organizadores, os cooperantes “Vicente” na fotografia, a D. Leonor no power point, no júri classificativo, na animação musical (os Grupos Corais da Paróquia: adulto e juvenil), até à oferta dos Prémios.

Assim, a festa abriu com a actuação do Grupo Coral Juvenil com o Hino da Alegria e depois dumas palavras de abertura de Leonel Santos que apresentou P. Joaquim Batalha pra fazer uma breve história do Presépio. O Grupo Juvenil continuou com canções de Natal. O Grupo Coral Paroquial actuou também com cânticos de Natal acompanhados a acordeão pelo Miguel Bianco (Regente e Organista).

A D. Armanda que recitou alguns poemas de Natal sublinhou que o Natal é um acontecimento religioso e cultural para muitos, mas tão-só cultural para outros. Porém, tem a grandeza de instituir uma relação entre as pessoas, as famílias, as coisas e a sua finalidade, entre o homem e o seu caminhar para a frente.

Todos os Presépios concorrentes e os Presépios das Igrejas Paroquiais, mais o Presépio da encosta da Praia de Porto dinheiro, foram projectados em 3 fotos diferentes para delícia da assistência que ainda acorreu em bom número.

Chegou então o momento da entrega dos Prémios, atribuídos pelo Júri.Este foi constituído pelo Vigário, P. Carlos Branco, pelos Professores: Rosália, César e Celina, Carlos Duarte e o Rui (representante da Junta de Freguesia). O Júri confessou ter bastante dificuldade na classificação pelo facto de serem muito bons. Após muito diálogo concluíram com a seguinte classificação e atribuição: Presépios de Grupo: Expressivo “Os Bacanos” do 4º Ano do 1º CEB; Bonito – “Catedral das Redes”, Olívia Bianco; Original – “Grãos de Areia” do 1º CEB…Presépios Individuais: Expressivo – Luísa Alfaiate; Bonito – Ana Bianco; Original – Maria Joaquina.

Por fim, com os bolos que alguns trouxeram fez-se uma confraternização regada com o vinho do Porto. Mais um belo evento cultural em Ribamar.