Início > Liturgia > Stº. António de Lisboa

Stº. António de Lisboa

Stº António é o Padroeiro secundário de Portugal (a principal é Nossa Senhora da Conceição).
No século XIII, Santo António já era patrono de cerca de quarenta Igrejas em Portugal. Não se sabe exactamente quando o culto foi divulgado em Portugal. Segundo a tradição, quando Gregório IX, no dia 30 de Maio de 1232, em Espoleto, procedia à canonização de Santo António, os sinos tocavam à mesma hora em Lisboa, sendo isso considerado como um sinal sobrenatural. O povo tomou para si este Santo, que se tornou, no século XVI, o Santo Nacional dos Portugueses, mas moldou-o às suas próprias necessidades. Aparece nos altares das Igrejas com diversos atributos: protector da cidade, das casas e das famílias, advogado das almas do purgatório, advogado dos bons casamentos, protector dos animais, fazedor de milagres, advogado dos objectos perdidos, ajudante dos que combatem, curador dos doentes, protector dos náufragos, aquele que livra os homens das tentações demoníacas.
Não faltam lugares e quintas com o seu nome, de tal forma que em Lisboa, leitarias, farmácias e drogarias foram colocadas sob a protecção de Santo António, com vista aos bons negócios e ajuda dos seus proprietários. A devoção chegou mesmo aos artistas populares, lembremo-nos de algumas peças expostas no Museu Antoniano de Lisboa, ali mesmo ao lado da Igreja de Santo António, e que bem merece uma visita.
A própria toponímia do país está recheada com o seu nome. Claro que Lisboa se orgulha especialmente deste Santo fazendo-lhe festas de arromba nos bairros mais populares, repletos de ruelas enigmáticas e sedutoras, que sobem e descem obedecendo aos caprichos da velha Olissipo… O Castelo e Alfama usam engalanar-se para receber o Santo António no mês de Junho. Preparam-se as marchas e vestem-se as ruas de fitas coloridas que parecem tocar o céu de Lisboa. Nos pequenos largos onde desaguam as vielas e escadinhas, nascem esplanadas para se comer sardinha assada entre o perfume dos manjericos e os sons dos bailaricos. Várias ruas exibem com orgulho os tronos de Santo António. Esta tradição remonta a 1755 quando o Terramoto destruiu a capital e se fez um peditório para ajudar a reconstruir a Igreja de Santo António que então ficara parcialmente destruída. A tradição já não tem o mesmo significado, mas para os lisboetas não importa… Santo António é festa em Alfama e no Castelo e todos os anos Lisboa mostra ser ainda a cidade jovem e ingénua que se encanta com as guitarradas e com o Tejo.
O facto de ter sido canonizado um ano após a sua morte, mostra-nos bem qual a importância que teve como Homem, para lhe ter sido atribuída tal honra. Este acto foi realizado pelo Papa Gregório IX, que lhe chamou “Arca do Testamento”.
.
EVANGELHO – Mt 5, 13-19
Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Vós sois o sal da terra. Mas se ele perder a força, com que há-de salgar-se? Não serve para nada, senão para ser lançado fora e pisado pelos homens. Vós sois a luz do mundo. Não se pode esconder uma cidade situada sobre um monte nem se acende uma lâmpada para a colocar debaixo do alqueire, mas sobre o candelabro, onde brilha para todos os que estão em casa. Assim deve brilhar a vossa luz diante dos homens, para que, vendo as vossas boas obras, glorifiquem o vosso Pai que está nos Céus. Não penseis que vim revogar a Lei ou os Profetas não vim revogar, mas completar. Em verdade vos digo: Antes que passem o céu e a terra, não passará da Lei a mais pequena letra ou o mais pequeno sinal, sem que tudo se cumpra. Portanto, se alguém transgredir um só destes mandamentos, por mais pequenos que sejam, e ensinar assim aos homens, será o menor no reino dos Céus. Mas aquele que os praticar e ensinar será grande no reino dos Céus».

Oração a Santo António, para achar objectos perdidos
Eu vos saúdo, glorioso Santo António,
fiel protector dos que em vós esperam.
Já que recebestes de Deus o poder especial
de fazer achar os objectos perdidos,
socorrei-me neste momento,
a fim de que, mediante vosso auxílio,
eu encontre o objecto que procuro…

Alcançai-me, sobretudo, uma fé viva,
uma esperança firme, uma caridade ardente
e uma docilidade sempre pronta aos desejos de Deus.
Que eu não me detenha apenas nas coisas deste mundo.
Saiba valorizá-las e utilizá-las
como algo que nos foi emprestado
e lute sobretudo por aquelas coisas
que ladrão nenhum pode nos arrebatar
e nem iremos perder jamais.
Assim seja.

Anúncios
  1. Ainda sem comentários.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s